Arquivos do Blog

Alckmin um santo homem?

Quem vê aquele homem seco, travado, de expressão fechada em algumas missas da Nossa Senhora do Líbano, pode achar Alckmin um sujeito minimamente bem intencionado e um político que foge aos padrões da corrupção tradicional do Brasil. Ledo engano. Alckmin é só mais uma na multidão de corruptos que assola a pátria.

São inúmeros os caso de corrupção envolvendo o governador paulista. A começar pelo Trensalão chegando até hediondo caso corrupção da merenda escolar que era executada de dentro do Palácio dos Bandeirantes. O governador do estado São Paulo, “São” Geraldo Alckmin, que chegou ao ponto de afirmar em Brasília, que o ex-presidente Lula não poderia usar de “subterfúgios” para fugir da Justiça, agora está lado a lado de Lula na Lava Jato citado como recebedor de propinas de empreiteiras lesa pátria. À época, ao comentar a deflagração de nova etapa da Operação Lava Jato, que cumpriu mandado de condução coercitiva para Lula prestar depoimento à Polícia Federal em São Paulo, Alckmin disse que “ninguém está acima da lei”. E agora senhor governador? Retifica a sua fala? Ou a lei só servirá para os trastes petistas, excetuando a cúpula tucana do alcance da lei?

 

Segundo os delatores da Odebrecht, foram repassados R$ 2 milhões em espécie ao empresário Adhemar Ribeiro, irmão da primeira-dama, Lu Alckmin, cunhado do governador. A entrega do recurso teria ocorrido no escritório de Ribeiro, em São Paulo.

Em 2010, o tucano venceu a eleição em primeiro turno e foi eleito governador. Na eleição seguinte, em 2014, segundo os depoimentos, o caixa 2 para a campanha de Alckmin teve como um dos operadores o atual secretário de Planejamento do governo paulista, Marcos Monteiro, político de confiança do governador. Questionado sobre a denúncia, Monteiro disse apenas que é tesoureiro do diretório estadual do PSDB em São Paulo há dois anos. Ele acrescentou que presta contas à Justiça Eleitoral com regularidade. Ora, que coincidência, mais um tesoureiro partidário envolvido em transferências de propinas! E agora um do PSDB aliado do governo paulista! Será que apenas Delúbio e Vacari foram operadores desse sistema inescrupuloso de compra e venda de apoio de empreiteiras para políticos? Será apenas Cabral o único governador atolado nesse mar de lama?

 

Segundo os delatores, o codinome de Geraldo Alckmin nas listas de propina e caixa 2 da empreiteira era “santo”. O apelido aparecia associado nas planilhas da Odebrecht apreendidas pela Polícia Federal à duplicação da rodovia Mogi-Dutra, uma obra do governo Alckmin de 2002. A palavra “apóstolo”, escrita originalmente na página, foi rasurada e trocada por “santo”.

 

O mesmo codinome é citado em e-mail de 2004, enviado por Márcio Pelegrino, executivo da Odebrecht que gerenciou a construção da linha amarela do metrô da capital paulista. Na mensagem, Pelegrino diz que era preciso fazer um repasse de R$ 500 mil “com vistas aos interesses locais” da empreiteira. Segundo consta, o executivo afirma que o beneficiário do suposto suborno era o “santo”.

A assessoria de Alckmin disse também que o apelido “santo” aparece em outros documentos apreendidos pela Lava Jato, referentes aos anos 2000 e 2004, sem qualquer relação com o governador. O PSDB declarou que não comenta supostas delações não homologadas e que reitera sua confiança nas condutas do governador Alckmin e também do ministro Serra.

 

Será que o “santo” irá operar o milagre da impunidade tucana ou dessa vez vossa santidade tucanalha irá para atrás das grades? Ou a cúpula do PGR e STF ao homologar a delação dirá: São Geraldo Alckmin rogai pelos tucanos da Lava Jato livra-os do Sérgio Moro! Oremos!

 

_d62715

 

Anúncios

Os alckmistas estão chegando…

Ano que vem haverá eleições e a raça ariana paulista que rechaça os petralhas e por falta de opção vota nos tucanalhas está ficando alvoroçada.

Geraldo Alckmin, o Fuhrer paulista, é certamente o cara mais odiado pelo PCC e o mais odiado pela própria polícia de seu estado. Parece um paradoxo, mas ao que tudo indica Alckmin tem um plano diabólico de querer acabar com o PCC e Polícia Militar e Civil Paulista ao mesmo tempo gerando o caos generalizado digno de ser enredo do GTA VI em Sampa.

Quase ninguém nutre muita simpatia por Alckmin isso é fato notório. O PCC quer matar ele, os contribuintes que pagam ICMS querem que ele se dane, e o pessoal da favela Pinheirinho e Cracolândia mais ainda… Entretanto, uma parcela da sociedade paulista gosta do Geraldinho. Idolatrado pela burguesia fedorenta que inclui a classe empresária, brancos, loiros de olhos azuis, cafeicultores, donos de rádio e TV e pelas donas-de-casa masoquistas que assistem Roda-Roda Jequeti no SBT. Sem dúvida Geraldo tem uma base eleitoral diversificada e metida a grã-fina, mesmo sem um tostão furado.

Prova disso é que Alckmin chegou ao governo de São Paulo respaldado pelas “elites alckmistas” que odeiam pobres, camelôs, motoboys, e torcida do Corinthians. Com isso, Alckmin transformou o estado de São Paulo  na Alckminlândia terra maravilhosa, cujos rios jorram leite e mel, não há homicídios, e as escolas públicas e técnicas estaduais preparam os melhores cérebros do mundo para ficarem no próprio estado servindo a classe patronal em troca de salários iguais ao do restante do país.

A genialidade maquiavélica do Alckmin se deve certamente a sua formação acadêmica em medicina, pois Geraldinho formou-se médico anestesista na UNITAU e de tanto detonar com cobaias em experimentos de anestesias ele resolveu fazer o mesmo com o povo paulista. Depois de centenas de analgésicos testados, descobriu que poderia viver nas tetas do povo, pois concluiu brilhantemente o óbvio: o povo brasileiro vive num estado letárgico quando se trata de consciência política.

Em 2006, Alckmin puxou o tapete do Serra e saiu candidato a presidente. Estudou o lançamento de uma grife de camisetas “De Pindamonhangaba para o mundo”. Magoado pela derrota nas urnas e desempregado, bateu de frente com o Serra novamente e saiu candidato à prefeitura de São Paulo. Com isto, resta evidente que Serra odeia Alckmin e intenta vingar-se dele tal como João de Santo Cristo se vinga de Jeremias em Faroeste Caboclo.

Imaginem Serra num duelo de escopetas com Alckmin na Praça da Sé com a Rede Globo, SBT e Record ao vivo cobrindo o acerto de contas dos dois políticos mais ordinários que sentaram a bunda no Palácio dos Bandeirantes? Surreal! Mas sonhar e viajar na maionese não custa nada  não é mesmo? Quer dizer, desde que  Alckmin não souber que não custa nada sonhar; ou ele pode até cobrar ICMS do sonhos e devaneios alheios!

Pois bem, ano que vem mais uma vez veremos os alckmistas perpetuando o reinado de seu senhor e seu mestre o Fuhrer Alckmin para o bem geral da nação paulista que odeia o PT e mais quatro anos de quatro levando enrabada do PSDB!