Arquivo mensal: agosto 2014

Olavo de Carvalho é herege?

Não que eu seja santo, mas hoje me surpreendi ao ler no site Monfort que Olavo de Carvalho é considerado herético para os devotos do finado Orlando Fedelli. 

Qualquer pessoa em sã consciência pode taxar o astrólogo metido a filósofo e pai da direita capenga que assola a internet do que quiser ao meu ver com toda razão. Mas chamar o Olavo de herege era novidade até então.

Embora o próprio Olavo se considere um católico bem tradicional e tenha até declarado que o único padre brasileiro sério e correto seja o Pe.Paulo Ricardo, que apesar de sistemático e antiquado em algumas coisas, parece realmente ser um excelente padre e profundo conhecedor dos meandros da doutrina católica, muito diferente de tantos outros que assolam os meios de comunicação como aquele tal de Pe.Roger da Canção Nova, olha o nome do infeliz, a má sina do nome precede…Mas não era esse o desfecho da premissa ora levantada: O caso é que Olavo é carola e arrota carolices, mas seu comportamento no True Outspeak é semelhante dum possesso pelo cramunhão com ódio de comunistas e qualquer pessoa que vá contra as idéias que ele comunga. Isso no mínimo não é nada cristão ao meu ver, visto que não está na própria Bíblia que devemos amar nossos inimigos?

 

Parece que a única coisa que Olavo de Carvalho ama é o cigarro e a ofensa gratuita dizendo que isso é auto-defesa contra a maledicência alheia. Ao passo que, se fuma incontrolavelmente contrariando com isso outro mandamento que é preservar o corpo como um templo e se enfurece com tamanha facilidade por picuinhas talvez ele precise ainda dumas catequeses ou ler Confissões de Santo Agostinho para aprender o caminho.

Não vou citar aqui os notórios casos de desavenças do Olavão com qualquer pessoa que levante “falso testemunho” contra ele ou contra seu insuperável intelecto filosófico de pseudo-erudito fodão, pois isso seria interminável dado aos recorrentes acessos de fúria e ofensas  proferida por Olavo de Carvalho contra seus desafetos e discordantes. Essas milhares de desavenças dele com outros tantos só mostra que Olavo não possui a virtude do autodomínio, mas até aqui nada comprova que ele seja herege, talvez no máximo um possesso pelo tabaco sem noção alguma de cordialidade e bons modos o que desfaz da fachada de filósofo sério e comedido que ele tanto preza nos filósofos clássicos e metafísicos bem intencionados.

 

Talvez até o Paulo Ghiradelli que é um sujeito dado a luxúria e pecaminoso ao extremo nesse quesito seja mais dócil do que o próprio Olavo. Se fosse apostar na canonização de algum dos dois apostaria na de São Paulo Ghiraldelli e jamais na do Olavo. O que decorre disso é que o astrólogo, ex-comunista, ex-mais sei lá o que do pseudo-professor Olavo de Carvalho de herege não deve ter muita coisa, pode até ser meio moderninho nesses quesito religioso, mesmo embora prefira posar de carolão ilibado pela sua suposta conduta exemplar que deve ficar restrita ao ato de obrar em seu vaso sanitário e olhe lá.

 

Estou aguardando com curiosidade alguma prova que o Olavo seja herético, na esperança que ele seja reconhecido ao menos como uma pessoa que precisa de muita reza de seus seguidores para criar bons modos e vergonha intelectual na cara. Caso contrário é caso de exorcismo mesmo.

 

E tenho dito!

 

 

Anúncios

Abaixo suínos sionistas!

Os sionistas das redes sociais não aguentam ouvir algumas verdades e já que não podem expulsar os palestinos de Gaza, expulsam os defensores desse povo massacrado dos seus redutos de mentes fechadas e tendências maniqueístas sem fundamento e ainda posam de amantes da sabedoria.

Bastou citar Eichmann em Jerusalém – Um relato sobre a banalidade do mal de Hannah Arendt num grupo de discussão de filosofia para que a ala sionista pedisse a minha crucificação como fizeram com Yeshua Bar Hay. Embora, a religião judaica repudie o sionismo, há alguns pseudo-judeus e cristãos que defendem Israel como se fossem donos da verdade suprema sobre os conflitos na Faixa de Gaza. 

Como relatou um colega com propriedade: “É duro é ter que aturar o posicionamento fétido e ardiloso que usam para tentar justificar ou tutelar o genocídio que cometem… Ai vivem rodeando em torno do rabo do Holocausto, com “mi mi mi” de vítima para “acobertar” o lado perverso, sombrio, fétido e destrutivo que é essa doutrina sionista”.  Por outro lado, não estamos bancando com isso o Danilo Gentili que fez piadas de mal gosto sobre judeus e os horrores do holocausto. Estamos apenas expondo uma opinião sobre os acontecimentos. 

Os militantes sionistas ou pró Israel das redes sociais parecem não se distinguir na capacidade de incompreensão em face de determinados argumentos. Caso haja uma citação que defenda os palestinos em Gaza imediatamente a taxam de apoio ao Hamas, quando na verdade estamos dando argumentos acerca do lado mais fraco do conflito, que conforme o nosso entendimento é  massacrado e morto devido uma política extremista tanto do Hamas quanto do governo israelense.

Esses mesmos adeptos e defensores das posições israelenses nesse conflito ainda repudiam o ingresso de refugiados sírios ou de origem árabe no Brasil. 

Visto haver impossibilidade de diálogo e debate com os sionistas das redes sociais sobre esse tema fica aqui a nossa nota de repúdio aos mesmos. 

Moneyball é apenas mais um…

O baseball, para o americano, é mais que um esporte popular, é quase uma religião.
Registros de um manuscrito francês de 1344, já traziam uma ilustração de padres jogando algo parecido com o baseball. 

Por volta de 1850, em Nova York, o esporte já era considerado o “passatempo nacional” e, em 1857, foi criada, com 16 equipes, a primeira liga esportiva da história, a National Association Base Ball Players, tornando-o o primeiro esporte profissional.
A liga americana incorporou a canadense em 1969, já que, até então, o Canadá tinha sua própria liga. Fora de lá, Cuba tem a sua liga, desde 1878 e muita tradição. A seguir vieram as ligas da República Dominicana, Holanda, Austrália, Japão, México, Porto Rico e Venezuela.
Com uma história tão particular e tão longa, muitas lendas e muita mística foi criada ao seu respeito, o que – lógico – rendeu ótimos filmes.
Esta lista traz 10 dos melhores filmes sobre o tema.


1.  Um Homem Fora de Série – The Natural (Robert Redford – já velho para o papel – era um jogador promissor, que teve sua carreira interrompida por uma misteriosa mulher – Glenn Close – e uma bala de prata. 16 anos mais tarde ele ressurge, com seu taco da infância, feito com a madeira de uma árvore atingida por um raio, numa equipe medíocre, que com sua ajuda começa a se destacar. uma fotografia linda, 4 indicações ao Oscar e o melhor filme de Barry Levinson)


2.  O Campo dos Sonhos (Kevin Costner é um fazendeiro do Iowa, que ouve uma voz vinda de sua plantação de milho: “se você construir, ele virá”. ele interpreta a mensagem como uma ordem para que ele construa um diamante – campo de baseball – e todos pensam que ele enlouqueceu, até porque destruir parte de seu milharal o traria problemas financeiros. mas ele constrói e eles aparecem, os fantasmas do grupo de jogadores do Chicago Black Sox, que haviam sido banidos do esporte 50 anos antes. pela sinopse não dá para notar, mas é um belíssimo filme)


3.  Uma Equipe Muito Especial (durante a segunda guerra, os principais jogadores estavam prestando serviço militar, o que deu espaço para a primeira liga feminina de baseball, com problemas bem femininos. Tom Hanks é o técnico de um time com Geena Davis, Madonna e Rosie O’Donnell, nesta comédia de sucesso, dirigida por Penny Marshall)


4.  Sorte no Amor – Bull Durham (um time de baseball de Durham, de uma pequna liga regional, traz um veterano – Kevin Costner – para ajudar um novato – Tim Robbins – a chegar à Major League, mas os problemas começam, quando ambos se interessam pela mesma mulher – Susan Sarandon -, que adotou o baseball como sua religião, depois de descobrir que o rosário católico tem 108 contas, o mesmo número de pontos de uma bola de baseball. uma boa comédia)


5.  Ídolo, Amante e Herói (clássico filme biográfico de 1942, onde Gary Cooper interpreta o famoso jogador Lou Gehrig, que jogou 2130 jogos consecutivos, até contrair uma doença mortal nos nervos – que hoje leva seu nome – aos 37 anos. o filme mostra sua vida, da infância ao discurso de despedida em 1939. foi indicado a 11 Oscars, mas levou só o de edição)


6;  Garotos em Ponto de Bala – Bad News Bears(Walter Matthau é um ex-jogador, mais interessado em cervejas do que no esporte, aceita dirigir um time infantil nada motivado, que disputa uma super competitiva liga juvenil. para compor o time ele escala uma garota de língua afiada – Tatum O’Neal – e um rebelde motoqueiro – Jackie Earle Haley – e o time começa a crescer. um divertido panorama da sociedade da Califórnia da época, que rendeu duas continuações, uma série de TV e um remake em 2005)


7.  A Última Batalha de um Jogador (Robert DeNiro é um jogador mediano em um time de Nova York. Michael Moriarty é a estrela do time. eles não se dão bem, até que o primeiro descobre ter uma doença terminal. eles se aproximam pra disputar uma temporada. um filme datado, mal dirigido, mas pode emocionar)


8.  Garra de Campeões (uma viúva herda um time, que jamais ganhou um campeonato e planeja transferi-lo para Miami, mas a liga não permite a não ser que sua receita anual fique abaixo dos 800 mil dólares. para conseguir isso, ela monta um time para perder todos os jogos, com os piores jogadores possíveis, mas esta também era a última chance deles mostrarem trabalho. boa diversão)


9.  Fora da Jogada – Eight Men Out (dramatiza a história do escândalo que envolveu o Chicago Black Sox – aqui chamados de White Sox – em 1918. os melhores jogadores daquela época jogavam neste time, mas recebiam baixíssimos salários. num acordo secreto, oito deles aceitaram perder o campeonato em troca de dinheiro. quando foram descobertos, os jogadores acabaram suspensos para sempre das ligas profissionais. os mesmos jogadores personagens de ‘Campo dos Sonhos’, num ótimo drama)


10.  Desafio do Destino – The Rookie (Dennis Quaid sempre sonhou em ser um jogador profissional, mas uma lesão no ombro, interrompeu seu sonho. anos mais tarde, vivendo numa pequena cidade e pai de duas crianças, dá aulas e dirige o time da escola. para estimular a equipe a dar seu melhor nos regionais, aceita o desafio feito pelos jogadores de voltar a jogar, caso eles ganhem o campeonato, e é o que acontece. bonito filme, baseado numa história real, dirigido por John Lee Hancock, de ‘The Blind Side’)