Arquivos do Blog

Aécio não é Tancredo, mas você irá querer ele no poder!

Caso você não saiba você já é um eleitor de Aécio Neves em potencial! Isso mesmo! Em 2018 Aécio será eleito presidente caso não se tomem medidas prévias de combate a mídia tendenciosa. As últimas falas do presidente do PSDB na imprensa ou em jantares com jornalistas aniversariantes já tornou evidente que há uma conspiração midiática em favor da leniência em benefício do PSDB.

 

Desde as colunas pútridas de Reinaldo Azevedo até as notinhas do Antagonista de Diogo Mainardi, passando pelos telejornais da Globonews, já começou imperar na mídia o método que cria eufemismos para tratar com condescendência toda e qualquer situação que envolva o pré-candidato presidencial Aécio Neves em escândalos.

 

 

Os jornalões chantagistas de manchetes pirotécnicas expõem atuação institucional da imprensa como uma máquina de retalhos da informação em favor da desinformação eleitoreira partidária. Colunas e textões que defendem a honra e legado político seja de Lula, Aécio Neves; e até do oligofrênico Bolsonaro poluem as redes sociais e blogs criando um clima generalizado de desinformação e idolatria aos políticos de estimação.

 

 

As rádios, da estirpe de Jovem Pan, também trabalham nesse sentido. Ao colocarem em programas da laia do The Morning Show e Pingos nos is, sujeitos chegados a pacandaria verborrágica politiqueira ao estilo Claudio Tognolli e Reinaldo Azevedo no ar, tudo isso favorece a fanfarronice do marketing político enganador no futuro próximo e afunda o debate de teses sérias ao nível do achismo puro e simples por parte da opinião pública fiel ao escracho midiático.

 

 

Tudo isso é prato cheio para marketeiros políticos tucanos garimparem material e idéias de sobra para desconstruírem pré-candidatos já combalidos como Jair Bolsonaro ou qualquer outro aventureiro que se meta a besta na disputa eleitoral em 2018. A seringueira petulante da Marina Silva, sabiamente tem mantido certa distância das polêmicas na imprensa, pois sabe que tudo que ela disser será usado e reciclado contra ela na próxima eleição como remake da eleição de 2014. Ela anda de fininho cumprindo uma religiosa agenda anti-governo Temer, à exemplo de outros supostos candidatos como é o caso do senador Ronaldo Caiado, que vem se alinhando com o lobby do agronegócio, com os movimentos de rua e tantas outras entidades na tentativa de alavancar seu nome para a disputa eleitoral de 2018.

 

 

 

 

 

Não obstante a isso, há sem dúvida um avanço no debate acerca de questões políticas e sociais que ainda é tímido em qualidade, mas que leva em conta a quantidade em relação ao direito à liberdade de opinião e expressão. Esse direito que inclui a liberdade de defender opiniões sem interferências e de buscar, receber e difundir informações e ideias por qualquer meio de comunicação.

 

 

As redes sociais por não serem indiferentes ou sempre reagirem a qualquer polêmica política ou declarações inoportunas de políticos – como foi o caso da “suruba seletiva” de Romero Jucá – tornaram a liberdade de expressão, e facilidade de expressar opiniões por algum meio de comunicação acessíveis aos estudos de marketeiros eleitorais, sociólogos e cientistas políticos, os quais usarão uma média dessas manifestações populares para direcionar o discurso de seus candidatos a uma espécie de “senso comum aceitável pela maioria” no contexto eleitoral.

 

Em breve veremos justamente Aécio Neves falando para uma classe média descontente com a crise econômica as mesmas falácias eleitorais dignas de Trump sobre retomada do emprego dos mais encrencados com a crise, diminuição de tributos para favorecer os empreendedores e valorização do sentimento de que uma nação só pode avançar se houver quem tenha força política para bater de frente contra um sistema pervertido que assola milhões de pessoas cotidianamente.

 

 

Aécio irá vestir a fantasia de mocinho contra os vilões da república com ajuda de um batalhão de colunistas tendenciosos na imprensa de aluguel. Peças de propaganda e convencimento com frases de efeito anti-Lula à moda Dória criarão um clima de que o PSDB não é a melhor opção logicamente, mas sim a opção menos ruim para o avanço político de um candidato que traz consigo a história do avô que lutou contra uma série de desmandos no passado.

 

 

 

Os meios de comunicação e militância dos mortadelas, que repelem todos os termos desclassificados ou inclassificáveis da retórica coxinha, naturalmente terão muito trabalho para combater a “escalada conservadora” ou a temida “agenda da Lava Jato contra a candidatura de Lula”.  Em consequência disso, a liberdade de expressão ultrapassará a função deste ou daquele termo ou locução de opiniões, e será transformada em massa de propaganda eleitoral disseminadas nas redes sociais por cidadãos comuns que brigam nas trincheiras da troca de insultos e fatos controversos sobre seus políticos de estimação.

 

Esse país só irá mudar minimamente de rumo se os coxinhas e mortadelas se absterem de votar por aos menos meia dúzia de eleições. Eles podem até debater nas redes sociais o quanto quiserem, mas está evidente que quem coloca corruptos e demagogos de ego inflado no poder é esse eleitorado abestalhado que critica e continua elegendo essas figurinhas deletérias da república. Esse complexo retardado de ter político de estimação, de votar no menos pior, de se deixar levar por discursinhos megalomaníacos de tolerância zero e gestão eficiente do “político não tradicional” é um câncer! Como diria o porta voz histérico da mídia tucana: #prontofalei

 

16-10-10_-_veja-0

 

 

Eleições 2018: Corruptos x Demagogos

A modinha da “Olavo tem razão” disseminada por gente tapada e emburrecida é feita negando a realidade. Esse tipo de pessoa é tão fanático quanto qualquer comunista marxista castiço por falta de leitura e uso decente do raciocínio lógico. Esse tipo de convicção subserviente a figura de um pseudo-intelectual ou determinado político criou uma cadeia de pessoas idiotizadas por esses charlatões da imprensa e militância de grupos como MBL da mesma foma que o PT conseguiu se infiltrar nas universidades e usar movimentos sociais em favor do fanatismo lulopetista. Hoje isso se atesta ao vermos apoio irrestrito e histérico aos políticos da laia do Dória e Bolsonaro.
 
Ultimamente tenho visto, a empolgação inclusive, liberais e pasmem, até libertários dando apoio a candidatura de Jair Bolsonaro a presidência da republica em 2018. De maneira cega, indivíduos vem sendo facilmente seduzidos por fotos do Bolsonaro tiradas com livros de autores liberais clássicos nas mãos do seu ídolo. Essa é a mesma lógica que leva muitos a crerem que se Dória comeu um pastel da feira sem fazer careta é porque ele ama os pobres. Nada mais risível que crer nisso piamente.
 
A retórica empobrecida de conceitos bem alinhavados e muita das vezes circenses faz com que Bolsonaro trate soluções econômicas do território em que vivemos de maneira profunda como um pires e isto de fato chega a assustar, pois liberais e libertários são famosos por dominar com tamanha maestria a teoria econômica e explicam como poucos o quão ineficiente é o estado planejando de maneira central a alocação de recursos, porém por algum motivo irracional resolveram fazer aliança com político milico conservador que até pouco tempo atrás tinha ideias nacionalistas ultra protecionistas irredutíveis.
 
Mudar de discurso e dizer aceitar conceitos liberais ao ponto de se tornar um político mais palatável economicamente é uma farsa já conhecida na cena eleitoral brasileira. Duda Mendonça colou em Lula esse adesivo do “economicamente viável” e fez banqueiros e empresários aceitarem ele na campanha eleitoral de 2002. Isso fez que até eleitores da classe média, que enxergavam Lula como um sindicalista selvagem comunista e ignorante iletrado ganhasse votos devido essa repentina mudança de formato, mas não de conteúdo. O mesmo estão fazendo agota com Bolsonaro. Quiçá até com Dória, que se fosse profundamente liberal não teria se filiado a um partido social-democrata fabiano.
Esses sujeitos querem fama e poder. Como existe um bando de pessoas manipuláveis em todas as camadas sociais, até mesmo as mais instruídas da sociedade, as quais se julgam acima de qualquer espécie de doutrinação ou afetação midiática por terem um diploma ou uma vasta aversão a corrupção, esses são os primeiros a serem iludidos por confiarem cegamente em seus dotes morais e convicções políticas.
Os bolsonaristas mais ferozes e inconsequentes são estupidamente por tabela trumpistas e apoiadores de Marine Le Pen, sem saber que Le Pen não fará nada para mudar a lei de aborto francesa que vigora desde 1975 no país. Além do mais,  Le Pen para obter votos úteis nas urnas não se coloca contra o casamento gay. Essas duas agendas caras para os moralistas conservadores fãs de Bolsonaro não estão na ordem do dia de Marine Le Pen. Mesmo assim os famigerados bolsominions apoiam Marine Le Pen, achando que ela seja a versão do Trump de saias na Europa, e por consequência uma direitista estilo Bolsonaro à moda escargot.
Vamos ver como os bolsomicos lidam com isso: Marine Le Pen defende a legislação de aborto,  também é pró-casamento gay, mas usa a bandeira anti-imigração para se firmar como garota propaganda da direita que defende valores da família e moral cristã? Nada disso, ela desonesta intelectual como seu eleitorado. O único candidato conservador de fato é François Fillon e não Le Pen. Mas como os adoradores do Bolsomico não sabem ler em francês muito menos em inglês eles ficam idolatrando Marine Le Pen e Trump negando muitas coisas reais como se fossem “fake news”. Mas aqui está o resumo de tudo isso em bom vernáculo pátrio.
Quando FBI manda Trump baixar a bola depois de acusar Obama falsamente por tê-lo grampeado, ou quando a justiça americana derruba as ordens executivas contra imigração e entrada de muçulmanos no EUA os bolsominions brasucas se enfurecem como se aquilo fosse uma afronta pessoal aos mesmos. Isso demonstra o grau de imaturidade intelectual e leviandade moral dos mesmos.
Trump parece ser uma cópia de Bush, mas os brasileiros se esquecem de muita coisa por terem memória curta demais. Lembram de quando o Bush aumentou o orçamento das forças armadas para invadir o Iraque e Afeganistão? Lembram que uma das metas dele era também tornar a imigração mais rígida? Lembram que Bush quis mexer no seguro social e sistema de saúde também? Lembram que Bush quis fazer uma economia voltada ao mercado interno com investimento em infraestrutura só criou recessão e uma série de bolhas especulativas no mercado imobiliário? Será que Trump está copiando ele? Eu acho que sim!
Trump à exemplo de Bolsonaro, são dois sujeitos desagradáveis e egocêntricos narcisistas. Trump finge que fala para o trabalhador assalariado do EUA, mas no fundo fala em nome do capital especulativo de Wall Street. Quando Wall Street se contenta com o presidente que atende seus interesses é porque o trabalhador está prestes a pagar a conta. Logo essa conta irá chegar e daí veremos Trump repetir os fiascos de Bush no setor econômico com o mesmo requinte de impopularidade depois de altos índices de confiança e popularidade.
Ao menos no Brasil, Bolsonaro não convence nenhum banqueiro ou grandes grupos investidores, portanto, a retórica dita liberal do mesmo é nula totalmente. Quem não rasga dinheiro sabe que Bolsonaro é uma nulidade em matéria econômica e um mero esbravejador de tolerância zero quanto a tudo que está errado no país da maracutaia.
Bolsonaro segue a cartilha do Afanásio Jazadji ao bater regalias aos bandidos, falta de pulso no combate ao crime, assim como segue a mesma linha de Luiz Carlos Alborgheti se dizendo a favor dos valores da família, sendo anti-maconheiros, anti-PT e mais uma vez contra o crime organizado. Esses políticos sobrevivem de pirotecnia na mídia e pouco fizeram em suas atuações como parlamentares para mudar o panorama crítico da criminalidade e afronta aos cidadãos de bem.
Está no hora do eleitor repensar em como tornar seu voto uma arma útil nas urnas contra o sistema, que de um lado tem corruptos rabos presos e do outro demagogos exaltados que não tem a menor ideia do que seja administrar um país assim como foi o caso de Dilma.

Os petistas estão em plena pré-campanha aberta pela candidatura de Lula, porque acham que assim a Justiça ficará intimidada de prendê-lo. A senadora narizinho é a mais empolgada na campanha de Lula 2018. Faz mesmo todo sentido: uma bi-ré liderando a candidatura de um penta-réu para desviar o foco. Entraram nessa peça de propaganda os “intelectuais da esquerda” que são nada mais que as viúvas da Lei Rouanet.

Quando os figurões da Odebrecht começarem a entregar não apenas todas as falcatruas eleitorais do PT, mas também as do PMDB e PSDB, como já estão fazendo, é que começaremos a ver a classe política e imprensa vendida falar ainda mais de 2018 com o discurso que políticos estão sendo caluniados e difamados em ações judiciais descabidas. Irão bater na tecla que “precisamos fazer uma transição para um novo governo que tenha meios de tirar o país da crise”. Logicamente irão tentar afundar a Lava Jato de alguma forma também.

Reinaldo Azevedo já começou a fazer isso, pois afoito como está em ser o Franklin Martins tucano, ele já se desespera com a possibilidade de Alckmin ancorado na popularidade histérica do Dória conseguir algo no PSDB desbancando o idolatrado Aécio, o qual já está sendo alvo de depoimentos dos delatores da Odebrecht. Rodrigo Constantino já se tornou o adestrador pseudo-liberal do Bolsonaro e Marina Silva conta com almofadinhas da imprensa descontentes com o PT. A imprensa irá mentir e acobertar seus patrões como faz em todo ano eleitoral. Essa folia já começou na Folha de São Paulo, Jovem Pan e Veja antecipadamente.

No final, todos os partidos e caciques irão se unir e tentar voltar ao status quo antes da era Lula, onde aquele malufismo genérico imperava e tinha todos os meios de operar em paz com a vista grossa da imprensa servil.

2018 será um calvário!
bolsonaro

Um direto de direita na cara da esquerda

Eduardo Cunha tem feito o diabo para se livrar das acusações da operação Lava Jato e outros procedimentos investigativos.  Desta vez, Eduardo Cunha deixou claro que o PMDB está ficando puto com a situação e numa posição de atacar o PT frontalmente caso o lado de lá da rua não peça benção aos caciques do PMDB ou abaixem a crista duma vez: “O PMDB está cansado de ser agredido constantemente pelo PT e é por isso que declarei ao Estadão que essa aliança não se repetirá”. Disse ainda “Talvez tivesse sido melhor que eles do PT aprovassem no congresso o fim da aliança com o PMDB. Não sei se no congresso do PMDB eles terão a mesma sorte. No momento, temos compromisso com o país e com a estabilidade, mas isso não quer dizer que vamos nos submeter à humilhação do PT”.

Eduardo Cunha neste final de semana publicou uma série de tweets contra o PT. A primeira série foi dedicada ao Deputado Carlos Zarattini que o chamou durante o Congresso petista, de “oportunista de ocasião”. Eduardo Cunha disse: “Para responder ao deputado do PT que fez discurso me chamando de oportunista de ocasião, gostaria de lembrar que quando ele era vice-líder do governo e relator da MP 664 que tratava do ajuste fiscal, votou a favor da emenda que flexibilizava o fator previdenciário e acabou tendo de deixar a vice-liderança do governo. Então quem é o oportunista de ocasião?”

Podemos até não concordar com Cunha por uma série de motivos,mas que ele não é frouxo,não é mesmo.O PT precisava receber de alguém algo do tipo bateu levou, coisa que Aécio Neves se furta a fazer como toda oposição. Certo ou não, aos trombolhões ele está fazendo o congresso trabalhar. O problema é que  a sociedade não gosta de quem não é frouxo e possui base religiosa.  Qualquer um que ouse ter base religiosa e alguma firmeza de posicionamento, vira alvo preferencial dos  psolentos e petistas como é caso do Malafaia e Bolsonaro. Lógico que estou falando de potenciais anti-petistas, estes nomes quando falam grosso polarizam a direta contra a esquerda e vice versa automaticamente.

O Eduardo Cunha sozinho é mais oposição que o PSDB inteiro,  mesmo que provavelmente ele esteja envolvido no PETROLÃO, ele representa muita gente que quer ver o PT arder no inferno.

Amém!

eduardo cunha sabotador

Pizzaria legislativa reabre os trabalhos sob nova e velha direção

Os parlamentares federais eleitos tomam posse neste domingo e depois daquele falso juramento de honrar e seguir a Constituição Federal as respectivas casas legislativas elegem seus presidentes, ou melhor dizendo, elegem o poderoso chefão da máfia parlamentar do Senado e Câmara dos Deputados. Sem dúvida a alusão com La Cosa Nostra é perfeitamente pertinente ante ao estado de calamidade ética e moral e criminal que encontram-se os nossos políticos.

Algumas vezes durante o ano assisto aos canais da TV Senado e TV Câmara numa espécie de sessão de auto flagelação impiedosa e acompanho o trabalho parlamentar com um sentimento de náusea e indignação. Quando algum parlamentar do PT, PSOL ou PC do B sobe a tribuna para fazer pronunciamentos e discursos meu estômago embrulha. Depois vem algum vendido ou alugado da base aliada ou elogiar falsamente o governo ou insultar e ameaçar o governo numa espécie de chantagem por mais jabá governista. Quando a oposição assume a palavra e fala algumas meias verdades sei que é hora de tomar um remédio para o estomago combalido pela ladainha socialista autoritária camuflada de republicana e democrática dos esquerdistas, pelo melodrama dos aliados e falácias dos opositores…

Constatar que o destino da democracia brasileira está sendo conduzido por eleitores e eleitos com ideologias políticas deturpadas da realidade me parte o coração.  O que me deixa ainda mais indignado além da falta de decoro e ética e falcatruas é sem dúvida a incompetência generalizada que toma conta das casas parlamentares que vivem num toma lá da cá visando atender interesses partidários e pessoais que passam longe ao interesse coletivo.  Quando a coisa parece obsoleta e totalmente arruinada ainda há chance de piorar ainda mais com o Deputado Jean Wyllys e Bolsonaro criando alardes nas tribunas parlamentares com suas picuinhas ideológicas mal-acabadas.

Hoje para estarrecer ainda mais esse cenário caótico a eleição para a presidência da Câmara e do Senado está digna de enredo de filme nacional sobre favelas dominadas por traficantes onde facções rivais de vilões tentam dominar o terreno fazendo alianças até com o capeta para comandar o morro, digo, Congresso…

Apesar desse cenário tenebroso e enfadonho, me resta uma pífia esperança remota que Eduardo Cunha vença Arlindo Chinaglia, digo, canalha; e depois faça o que é esperado dele: Que peça o impeachment de Dilma.  No Senado a coisa parece já definida: O chefão das Alagoas vencerá seu colega de partido rachado que não passa dum senador catarinese chinfrim sem volatilidade alguma para causar danos à eleição de Calheiros.

De fato, a capital do Brasil hoje está repleta de gangsters do colarinho branco com seus parentes, assessores, padrinhos e puxa sacos de todos os tipos e tamanhos. Enquanto isso, em Curitiba, aguarda-se que ao menos 10% de todos os deputados e senadores eleitos estejam em breve sendo denunciados pela Operação Lava Jato.

Diante disso, fica evidente que qualquer deputado ou senador que toma posse hoje é, portanto, um potencial alvo da Operação Lava Jato. Isso demonstra por si só que o parlamento brasileiro não possui a menor legitimidade moral e ética para representar a população. Além do mais, isso ainda se estende para o cargo da Presidente da República que seja, direta ou indiretamente, também está no poder se beneficiando dum esquema criminoso multipartidário.

Se o Brasil fosse realmente uma república democrática coerente haveria nesse momento uma série de denuncias na mídia com base na Lei da Ficha Limpa e em esquemas de acordos escusos identificando os parlamentares que poderiam ser cassados tanto por improbidades eleitorais como infrações criminais. O mandato de muitos estaria sendo colocado em xeque para o bem da própria população que está sendo representada cada vez mais por quadrilhas de aproveitadores e delatores quando as coisas são descobertas.  Desse tipo de classe política ora presente e reinantes no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto só se pode esperar traição aos princípios republicanos e democráticos, além dos costumeiros casos de corrupção e inobservância de regras legislativas, as quais eles mesmos criam e recriam para se safar.

Certamente mais do que nunca o país está rachado ao meio no campo público e privado. Metade dele – a metade podre pública – está em Brasília. A outra metade, também podre e privada já está em Curitiba na carceragem da Polícia Federal aguardando a sua cara metade. Isso se, não sair do forno do Congresso Nacional uma mezzo impunidade mezzo vista grossa.

Maria do Rosário não é santa nem puta…

Maria do Propinario é uma santa petista idolatrada pelos idiotas úteis do PT, PC do B, PSOL e toda sorte de bandidagem vítimas da sociedade.

A pilantra de olhos esbugalhados, defensora da bandidagem, só poderia ser uma criminosa como aqueles que tanto defende não é mesmo? Essa vigarista é mais uma esquerdopata que só envergonha o estado do Rio Grande do Sul, que consegue produzir bostas desse naipe para a política nacional em abundância! Quando eu olho para esse tipo de gente, como essa descarada eu não consigo imaginar em outra coisa senão tanques nas ruas ou para salvar o país ou para proteger a liberdade dos cidadãos de bem antes que implantem duma vez a ditadura comunista que tanto sonham!

Não estou defendendo as sandices do Bolsonaro e apelando para as Forças Armadas nesse momento de imediato. Os dizeres de Bolsonaro são indecorosos desde sempre e ele perder o mandato por isso agora tornaria todas as lorotas ditas por Lula e seus asseclas quando eram mandatários de cargos eletivos doces verdades e dizeres da mais alta sabedoria e consciência intelectual e política.

Por outro lado, desde quando a Deputada Maria e toda bancada feminina desses partidos de esquerda são santas? A dona Gleisi Hoffmann já escapou de ir depor na CPI da Petro, pois teria que explicar aquela mala de dinheiro recebida num shopping em Curitiba.

Ontem o PGR em Curitiba fez um discurso que vai ficar no pé dessa cambada e denunciar um por um conforme o andamento das investigações até chegar nos grandes caciques políticos. Espero que o MPF cumpra com sua missão e que o povão que vota no Bolsonaro e nos inimigos dele na próxima eleição arrumem melhores representantes, senão o jeito é mandar essa cambada do Exército cumprir com seu papel institucional depois que todas as instituições possivelmente falharem em combater a podridão que se instalou no poder devido a blindagem e aparelhamento dos tribunais de instância superior.

Perante isso me respondam uma coisa galera da esquerda coca-cola. Sim me respondam – como diria Bolsonaro: Me respondam se forem homens com brio na cara e não queima-roscas: O Deputado Bolsonaro é tosco sim eu sei, mas ele alguma vez na vida foi citado em algum esquema de corrupção?

Até hoje só vi ele falar suas sandices, mas nunca vi até agora ele roubar e defender canalhas ladrões dos cofres da República e toda sorte de malandros e vagabundos como gostam de fazer os petistas e psolistas de plantão. Aliás, o PSOL é um partido capanga do PT que faz o serviço sujo que o PT não quer mais fazer de dar a cara a tapa na mídia defendendo o socialismo burro e capenga que não cola mais.

Essa dona Maria (omito o sobrenome por motivos de laicidade que tanto gostam) foi citada em inquéritos policiais dando cobertura para bandidos e estupradores e agora é suspeita de envolvimento com esquemas de corrupção e para vocês ela é uma santa que precisa ser defendida né militância da esquerda?

Não acreditem em mim, vão pesquisar!

Vejam quem essa mulher defende, todos bandidos, e quem defende bandido ou é advogado ou faz parte do esquema. Então ainda vão continuar defendendo essa raça de larápios que estupram a dignidade da sociedade brasileira?

Entenda como começou essa história:

O QUE A ESQUERDA NÃO QUER QUE VOCÊ SAIBA:
Toda a esquerda e a mídia sensacionalista caiu de pau em cima do Deputado Jair Bolsonaro, mas o que querem esconder de você, esquerdinha alienado, é como tudo começou:

Caso Liana Friedenbach e Felipe Caffé

Champinha, menor de idade, que no dia 01/11/03, juntamente com os comparsas, sequestrou, torturou o casal de namorados e em forma de rodízio estuprou a jovem de 16 anos na frente do namorado.

Felipe foi morto no dia 02/11.
No dia 05/11 Champinha sozinho levou Liana até um matagal, deu um forte golpe com um facão no pescoço da vítima, a esfaqueou várias vezes e tentou degolá-la. Para finalizar golpeou a cabeça da estudante com o lado sem fio do facão, gerando um fatal traumatismo craniano na vítima. Assim como aconteceu com Felipe, o corpo ficou abandonado na mata.

Em entrevista Bolsonaro defendia a prisão do menor como a de qualquer criminoso maior de idade. Mas o pequeno torturador-estuprador-assassino tinha um demônio-da-guarda chamado Maria do Rosário que se opôs veementemente… o resto da história todo mundo já conhece (http://youtu.be/atKHN_irOsQ)

Veja como vive hoje esse pequeno monstro defendido por muitos (http://youtu.be/dMd7LBGy0XQ)

Jair Bolsonaro versão “estupra mas não mata”

Dizem que a política numa democracia sólida é a capaz de reger as diferenças alicerçada na justiça e dignidade humana. No Brasil as coisas parecem que não são bem assim.

Na filosofia política clássica há o ensinamento de cada individuo isoladamente não pode ser medida para todas as coisas, e também que cada indivíduo isoladamente é fraco para defender seus interesses e ideais por si só. Ante a isso, é por tal razão que temos a política e a justiça como uma forma de reger diferenças entre as pessoas.

O discurso individual passa a ser político quando encontra eco dentre outros indivíduos que compartilham e comungam das mesmas opiniões e visões sobre determinado assunto ou interesse. Quando uma fala isolada dum cidadão encontra adeptos em outras pessoas isso torna-se uma forma de influência política sobre certa parte da sociedade. Assim sendo, quando o Deputado Jair Bolsonaro pela sua exuberância retórica encontra na sociedade defensores para suas falas e opiniões tanto como o Deputado Jean  Wyllys do PSOL ou Lula encontram adeptos para suas teses e declarações mais polêmicas estamos trazendo diversas alegações e práticas dessas figuras para o cenário da influência política e tornando cada um deles porta vozes de determinados segmentos da sociedade em grande escala.

Sem dúvida o mal uso da palavra na política decorre quando o discurso é exercido sombriamente através de discursos que contradizem valores e costumes como aqueles que incentivam violência e perseguições. Sabidamente o discurso inflamado e polêmico de alguns políticos do nosso atual cenário em conjunto com uma prática política carismática são ingredientes que influenciam a opinião de muitas pessoas e por outro lado essa livre expressão é defendida por princípios democráticos.

Diante dos graves problemas sociais e humanos que nos cercam é dever do agente político e do cidadão comum fazer uso da palavra para defender suas teses e interesses sociais. Isso é totalmente permitido numa sociedade onde a livre expressão impera como valor constitucional e democrático. Ainda mais nas casas parlamentares onde quanto mais habilmente o político souber explorar o discurso para transmitir concepções e idéias melhor este parlamentar se posicionará em alguns assuntos ou cenários ou ao menos irá atrair a atenção da mídia e população para seus dizeres. Nesse caso o Deputado Jair Bolsonaro tem se saído como um mestre da retórica em seu favor e desfavor.

Bolsonaro fala com a franqueza e defende valores que a camada mais conservadora da sociedade costuma apregoar sobre os mesmos temas em conversas particulares. Os assuntos tratados por Bolsnaro em seus discursos são eco de como essa classe pensa e fala também. Isso por um lado atrai simpatizantes e por outro gera opositores que dizem que isso viola o direito de liberdade de expressão e outros direitos. Entretanto, os opositores que alegam isso, são em resumo muitos dos mesmos que querem calar a voz da imprensa nacional, e que tratam de outros assuntos livremente fazendo o uso da palavra da mesma forma espalhafatosa que geram o mesmo efeito que Bolsonaro gera para seus simpatizantes e opositores. Isso não pode ser detido, pois qualquer tentativa por menor que seja de tentar calar as vozes dos parlamentares ou populares é um ato anti-democrático.

Quando o Deputado Jean Wyllys defende que pedofilia é algo normal e que deve ser incentivado como experiência natural da vida sexual, por mais que isso seja chocante isso reflete que há uma camada da sociedade que não conseguimos identificar – a não ser nas páginas policiais na maioria dos casos – que pensa assim e identifica-se com essa fala. Quando Bolsonaro diz que a Maria do Rosário deveria ser estuprada também gera reverberação de péssimo tom na mídia e opinião pública, mas a questão que fica é: Esses políticos com suas declarações infelizes são anti-democráticos ou reflexo duma sociedade que padece duma consciência política de péssima qualidade?

O discurso de Jair Bolsonaro não serve apenas para uma parcela da população  radicalista ora dita como de direita assim como o discurdo de Jean Wyllys não serve apenas para a esquerda. Serve também para seus opositores uns dos outros, como é o caso do Deputado Jean Wyllys e a própria Maria do Rosário também fazerem mais barulho em outras ocasiões depois que o estardalhaço causado pelas fals de Deputado Jair Bolsonaro cessarem. Seja Bolsonaro ou Wyllys quando falam sabem que logo suas declarações serão assunto de dias nas redes sociais e na mídia. Nessa guerra de declarações escandalosas ninguém ganha, pois o debate político fica amaldiçoado por duas classes de indivíduos que não querem saber de democracia, mas sim de tirania e troca de insultos com fulcro em certos ideais e imposição de suas teses a ferro e fogo.

Quando vimos a transformação que o Wikileaks fez na forma de transmitir denuncias através dum simples site de internet, podemos também pensar em como políticos como Jair Bolsonaro e Jean Wyllys tem atrás de suas figuras seguidores mais radicais capazes de levar ao extremo suas bandeiras além do mero campo das palavras. A culpa do eleitorado nisso passa longe da discussão muitas vezes, porém deveria ser trazida como fator integrante dessa disputa de teses e declarações visto que um parlamentar fala em nome de seus eleitores e expressa o que eles aderem ideologicamente e politicamente como cidadãos.

Em suma Jair Bolsonaro detém o dever de ser porta voz de quase meio milhão de eleitores brasileiros que são basicamente numa correlação simples contrários a parcela que votou em Maria do Rosário ou Jean Wyllys. Entretanto, não vemos nenhum desses pólos da conversa em debates produtivos e cordiais sobre nada no Congresso Nacional. O que nos deparamos vez após vez são condutas nocivas ao debate político democrático de excelência que gera entendimento entre diferenças. Não vimos até agora no mandato deste debates e discussões políticas que realmente atendam as reais necessidades de pessoas que encontram nesse tipo de político defensores de seus próprios ideais com base na dignidade e justiça.

Ao elegerem políticos dessa monta, o eleitor está fazendo a democracia regredir aos tempos das lutas com tacapes e pedras onde uma tribo ou clã impõe sua consciência ou vontade em face à outra pela violência prática das palavras e atos. A diferença é que agora no nosso tempo essa luta é legalmente protegida por leis de imunidade parlamentar que vigoram por quatro anos de mandato.

Se querem mais quatro anos disso nas próximas eleições a escolha cabe aos eleitores que a priori corroboram com todas as declarações e condutas daqueles em quem votaram para os representarem politicamente.

Dar a bunda é indecente Bolsonaro Presidente

Olá reaças de plantão, coxinhas mal amados, black blocs que usam calcinha, militantes fedorentos do MAV-PT, tucanada escrota, torcida do Cúrinthians e quem mais estiver por aí…

Esse post com toda certeza irá despertar a fúria de reaças arruaceiros adeptos do olavismo, do falso moralismo coxinha da Rachel Sherazade, e de todos os outros setores adeptos da sub-argumentação fundada em jargões coringa falaciosos da galera de punheteiros da direita e dos homossexuais enrustidos da esquerda.

Se este post não for alvo de vandalismo ou até mesmo de possessão demoníaca eu me dou por satisfeito! Sem mais delongas vamos ao assunto: Jair Bolsonaro candidato a presidente será a maior cagada em cima da cara do eleitorado brasileiro dos últimos tempos. Como se já não bastasse tentar reeleger a Dona Poste, Mãe do PAC, Madrasta do Real, Gerentona da Corruplândia, ou tentar eleger um daqueles dois marionetes (um cheirado e outro sempre com o cabelo bem arrumado) ainda temos que aturar o Jair Bolsonaro se candaditar? PQP! Certamente o slogan de campanha será: “Dar a bunda é indecente. Bolsonaro Presidente”.

O fato do Bolsonaro ser candidato para presidente não é tão absurdo assim, o que vai ser intolerável e altamente absurdo na verdade vai ser o bando de viadinhos em todo território nacional zoando a campanha desse protótipo de fascista ao ponto dessas eleições se tornarem mais parada gay do que campanhas eleitorais propriamente dita.
Imaginem todo dia um bando de bichas ensandecidas protestando contra o Bolsonaro e com faixas e cartazes do Jean Willys, do Clodovil, do Clóvis Bornay nas ruas… Imagine se essa gayzada encontra com a tropa de choque é aí que o pau vai comer mesmo!

A Justiça Eleitoral deveria proibir que o Bolsonaro concorresse para o bem da família brasileira que já está cansada de ver gays nas novelas se beijando, de ver casal de sapatas querendo colar o velcro no horário nobre. Não sou eu quem está contra essa putaria gayzista que assola o Brasil é a família brasileira heterossexual que procria fazendo papai e mamãe e que cada dia mais está sendo achincalhada pelos movimentos gayzolas de todos os tipos.

Imagine um cidadão de bem, pai de família, católico devoto ou evangélico dizimista que está voltando para casa depois dum dia duro de trabalho se deparar com um comício do Bolsonaro e aquele bando de viados protestando. Imaginou a cena? A algazarra e estardalhaço? É claro que o ver aquele bando de gay zoando um cara supostamente todo certinho como o Bolsonaro é voto ganho pro mesmo porra! Ainda mais se a Rachel Sherazade estiver junto com ele no palanque! Tá na cara que o Bolsonaro tem eleitores em potencial porque a grande maioria dos brasileiros não são homofóbicos como esses viados descarados querem impor via ditadura gayzista alegam. Na verdade, essas pessoas são decentes e não querem saber de forma alguma que seus filhos passem a dar bunda achando que isso é a coisa mais normal e pura do mundo! Só isso!

No meu entender se o Bolsonaro concorrer e for eleito presidente da república a culpa vai ser dos baitolas! Então peço encarecidamente que a população gay desse país caso esse fascista concorra fique caladinha com seus bofes queimando a rosca bem longe da campanha do Bolsonaro senão esse país vai pro buraco de vez! E pelo jeito é isso que esses gays querem não é mesmo? Que o país vire um buraco para eles entrarem lá e levarem todo mundo junto com eles numa suruba!

E tenho dito!

 

 

 

Direita, esquerda volver!

Qualquer brasileiro politizado e instruído que não seja muito rico e que não integre algum esquema empresarial ou político com interesses conflitantes com um mínimo de decência humana, teme e repudia o pensamento legítimo de direita e o ideário sobre organização social que essa ideologia luta para que se torne hegemônico nos quatro cantos do planeta.

Nem precisa ser “socialista”, seja lá isso o que for em um mundo atolado até o pescoço no capitalismo, que, por definição, significa a valorização do dinheiro em detrimento do ser humano. Sejamos honestos: se você não for canalha ou ignorante, entende que o pensamento de direita se baseia no egoísmo e na desonestidade intelectual.

O pensamento de direita só faria sentido em uma sociedade sem desigualdade de oportunidades, pois tal ideário se baseia na premissa do “mérito” sem levar em conta que vencer na vida (nos estudos e no trabalho, sobretudo) também depende de vantagens que as crianças e adolescentes recebem de herança dos pais.

Um dos exemplos mais eloquentes sobre como o ideário de direita é desonesto se encontra no sistema que impõe aos estudantes que disputam vagas no ensino público superior. Os vestibulares são uma aberração. Colocam jovens paupérrimos, sem o mínimo acesso a bens culturais, para disputar vagas com jovens ricos que estudaram em escolas de excelência.

Grande mérito, o dos que chegam na frente…

Os ideólogos desse pensamento bárbaro e injusto, acalentado e difundido pela máquina de comunicação que a riqueza de que dispõe a direita impôs à humanidade, infectam qualquer sociedade livre, sendo sua verborragia obscena o preço a pagar pelas liberdades individuais. Temos que ser livres até para sermos os piores canalhas que se possa conceber.

No Brasil, a nossa direita choca as pessoas decentes e humanas mesmo que não tenham ideologia e politização. Muitos se chocam com o pensamento de direita sem nem saberem que é um pensamento político-ideológico.

Que cidadão decente, minimamente sensível e razoavelmente humanista pode concordar com o comportamento de alguém como o deputado Jair Bolsonaro, com seu racismo galopante, sua homofobia descontrolada e sua truculência (inclusive física) escancarada?

Bolsonaro, porém, não passa de expressão da direita desinibida, daquela que não tem vergonha de se assumir. Mas há outros expoentes desse pensamento que tentam disfarçar seus pendores autoritários, antidemocráticos, desumanos, egoístas.

Um Reinaldo Azevedo (colunista e blogueiro da revista Veja), por exemplo, simboliza a direita dissimulada, que não tem coragem de assumir seu ódio à diferença, seu apreço pela desigualdade, sua crença inabalável na segregação racial e social etc. Aliás, a própria revista, ou melhor, o próprio Grupo Abril é uma máquina de propaganda da direita, ou da ultradireita.

 

Enfim, a direita brasileira é horrorosa. Chocante mesmo. Ainda assim, há um certo pudor da “nossa” direita em assumir seu egoísmo imanente. Nunca se viu essa manifestação da maldade e do ódio chegar ao ponto de pregar contra o precário sistema público de saúde que o Brasil construiu e que, a duras penas, garante a cada brasileiro que não morra à míngua sem qualquer atendimento.

Ou seja: a direita brasileira tem limites, voluntária ou involuntariamente.

Quando se olha para o que a direita norte-americana fez com o país mais rico e desenvolvido do mundo, chega-se a dar graças a Deus pela direita que infesta o nosso país. Pode ser considerada altamente progressista, sob tal comparação.

Reflita, leitor, sobre o que a direita dos Estados Unidos vem fazendo nessa questão do orçamento federal. Está sabotando não só o próprio país, mas o mundo.

Em um momento em que a potência hegemônica começa a se recuperar dos estragos que o partido Republicano causou ao longo da primeira década do século XXI, esse partido se nega a aprovar o orçamento federal caso o presidente Barack Obama não retroceda da implantação de um arremedo de sistema público de saúde que mal chega aos pés do nosso SUS.

A conduta dos republicanos é tão imoral que chocou até a nossa direita. Na edição do Jornal da Globo da última terça-feira, até o colunista Arnaldo Jabor se insurgiu contra seus congêneres ideológicos norte-americanos. Sim, Jabor, que vive a vituperar contra “esquerdismo” em seus comentários naquele telejornal.

Reproduzo, abaixo, o comentário dele sobre o que está perpetrando o partido republicano.

—–

O Obama disse bem: o país está ameaçado por uma cruzada ideológica de direita… É isso, a alma republicana não admite a lei de assistência médica que beneficia 15% do povo, que não pode pagar.

Eles não admitem que pobres sejam ajudados porque, para americano, pobre é vagabundo, fracassado, e ninguém pode pagar por ele.

Dizem que ele nem é americano, o Obama. Que é comunista…

O partido Republicano está dominado pelo Tea Party e seu líder disse: ‘A lei da saúde é a mais sórdida lei que o ser humano já conheceu…’

O SUS americano, o ‘Obamacare’, já foi votado há três anos e o supremo tribunal federal já referendou, mas os republicanos querem chantagear o presidente de qualquer maneira, mesmo quebrando a América.

Sabe o que é isso, os Estados Unidos dando calote em suas dívidas? Imagine a repercussão no mundo, já em crise…

Mas os canalhas não ligam, são irracionais e loucos mesmo. Não se conformam com um presidente negro, preocupado com questões sociais, querendo taxar mais os ricos. Há racismo nisso, sim. Forte.

E há o desejo de destruir o seu mandato. E pior: além da chantagem, querem culpar o Obama pelo impasse, fingindo que querem negociar.

Já são quatro anos de sabotagem. Obama está definhando, mas não vai ceder. Só negocia se deixarem a saúde intacta.

Ele está certo. É melhor enfrentar essa chantagem, e sua desgraça, do que continuar essa ópera bufa

—–

Alguns dirão que é demagogia de Jabor, que, como a Globo, vem tentando melhorar a própria imagem. Mas esse pudor da direita brasileira mostra a distância que ainda separa os ideólogos de direita desta nação e os seus homólogos estadunidenses.

E note, leitor, que o sistema de saúde de Obama nem é um SUS da vida. Na verdade, para simplificar, trata-se de um mega plano de saúde estatal para que os mais pobres possam recorrer à medicina privada. E cheio de limites de coberturas que, em nosso sistema de saúde público, não há.

O egoísmo, pois, é uma instituição americana. A mentalidade do americano médio o faz levar os psicopatas do partido Republicano ao poder a intervalos tantos, o que faz com que o país mais desenvolvido da face da Terra tenha a menor expectativa de vida entre os países desenvolvidos. Além de pobreza e desigualdade que não se vê em nenhum país rico.

A boa notícia é que a nossa direita é mais envergonhada que a deles e não tem coragem de ir tão fundo nesse culto obsceno ao egoísmo, à desumanidade, à canalhice em estado puro. A má notícia é que essa mesma direita brasileira acredita que, um dia, poderá reproduzir por aqui a imoralidade vigente no sistema de organização social norte-americano.