Arquivo da categoria: Clube dos Canalhas

O fundamentalismo cretino

A revolução dos cretinos fundamentais está aí. E chegou para cagar tudo de vez.

revolucaocretinos

Para quem não sabe, cretino fundamental é um conceito elaborado por Nelson Rodrigues, para descrever um tipo de pessoa que é muito fácil de reconhecer, embora seja difícil de descrever se não com qualificativos óbvios, sempre ditos em certo tom de desabafo.

Pessoalmente, acho a definição de Nelson perfeita: para ele, cretino fundamental é aquela pessoa capaz de deturpar o que é óbvio.

Fantástico, só um cretino fundamental teria a coragem de distorcer a obviedade com plena convicção. Só um bobalhão perfeito e acabado pode distorcer a verdade óbvia de que “Copa se faz com estádios, não com hospital“, para deturpar o fato de que a saúde pública no Brasil está em estado emergencial e é uma distorção de prioridades o gigantesco investimento público com um campeonato de futebol.

Só um idiota, e do tipo fundamental, pode deturpar a obviedade de que a homossexualidade não é uma doença, a ponto de proporem uma suposta cura gay. Só um abobado fundamentalmente incurável pode distorcer o absurdo que é a agressão a menores para afirmar que menino só vira homem se levar um couro do pai.

Mas Nelson Rodrigues não parou por aí. Na verdade, ele fez uma previsão apocalíptica. Em sua opinião, o maior evento de nossa época não seria a ida do homem à Lua e tampouco a descoberta da fissão nuclear. Para Nelson, “o maior acontecimento do século XX é a rebelião dos cretinos fundamentais”.

Segundo sua previsão, eles dominariam o mundo em breve, possivelmente oprimindo os “não-cretinos”.

Esse vaticínio é bem retratado pelo filme Idiocracy. É uma comédia americana, puro besteirol que, para minha surpresa, recebeu nota 7,9 no Rotten Tomatoes, o melhor site compilador de críticas cinematográficas.

Apesar de ter uma história meio abobada (mas hilária), a premissa do filme é ótima: um americano médio de nossa época, um pouco tapado mesmo para os padrões atuais, é congelado vivo e só acorda 500 anos depois. Ao despertar cinco séculos no futuro, ele tem duas enormes surpresas.

A primeira é que a televisão e a alimentação fast food provocaram, com o passar dos séculos, uma diminuição radical da inteligência humana, de modo que todos ao seu redor são imbecis, e do tipo fundamental. A segunda surpresa, decorrente da primeira, é que ele se tornou ser humano mais inteligente do planeta, para seu desespero.

E aí ele dá de cara com um mundo totalmente caótico, em que o meio ambiente foi praticamente destruído. Um mundo em que falar de um modo educado e utilizando um vocabulário com mais de cem palavras é considerado coisa de homem “afeminado”, objeto de chacota.

Como toda distopia, esse filme fantasia sobre o futuro para, na verdade, analisar a sociedade atual. No fundo, sua história fala da Revolução dos Cretinos Fundamentais que estamos testemunhando neste exato momento e que foi prevista por Nelson Rodrigues, que se autodefinia como “um anjo pornográfico”.

Nelson, com tom profético, previa que essa revolução não tardaria acontecer. E como ela ocorreria? Simples, os cretinos fundamentais dominariam o mundo pela simples vantagem numérica e, também, por sua incrível capacidade de auto-organização.

Como disse o anjo pornográfico em uma entrevista:

“Ponha um cretino fundamental em cima da mesa e você manda ele falar, ele dá um berro e imediatamente, milhares de outros cretinos se organizam, se arregimentam e se aglutinam.”

Qualquer semelhança com o que está ocorrendo hoje no Congresso Nacional não é mera coincidência. Auxiliados por um sistema eleitoral que privilegia a aglomeração dos votos de maiorias distribuídas em um grande território, os cretinos fundamentais se reúnem, elegem seus representantes e começam a predominar.

E se você, leitor, ao assistir o Idiocracy e acompanhar as desventuras do protagonista, identificar-se com ele ao ponto de pensar “pô, mas é exatamente assim que eu me sinto no dia-a-dia!”, isso não é um mero acaso.

Trata-se do que chamo de efeito cretinatório.

O efeito cretinatório, fenômeno aparentado com o efeito Dunning-Kruger, é frequentemente experienciado pelos não-cretinos fundamentais: você sabe que não é particularmente inteligente, mas, cada vez mais, tem a impressão de que é um cara muito, mas muito esperto, ao menos na sua experiência cotidiana.

Essa ilusão ocorre porque, graças aos meios de comunicação de massa e a um sistema educacional que adestra consumidores ao invés de formar cidadãos, o número de cretinos fundamentais cresce de forma exponencial, a ponto de a distância entre duas pessoas medianamente (e põe medianamente nisso!) inteligentes ampliar-se de modo significativo

Isolada em um mar de cretinice, a vítima do efeito cretinatório pode ter a impressão de que realmente é um prodígio de genialidade, quando não passa de um sujeito meio mané.

Não é difícil concluir que nós estamos diante de uma luta em dois fronts. De um lado, temos de lutar contra a tola vaidade de acreditar que somos realmente muito inteligentes, pois isso não passa de, digamos, um truque de ótica decorrente do efeito cretinatório. De outro, precisamos lutar para não sermos oprimidos pelos cretinos fundamentais e por sua revolução tão silenciosa quando catastrófica.

Claro, a saída mais fácil é, também, a mais covarde. Quem quiser que se deixe levar pelo fluxo e se misture com os cretinos. Será necessário algum esforço, mas creio que a maioria de nós logo conseguirá substituir suas próprias opiniões pelas manchetes e editoriais dos principais jornais do país.

Felizmente, ainda não precisamos apelar para a estratégia maria-vai-com-as-outras. Temos a nosso favor um grande recurso: a internet, caótica tal como ela é (ao menos até que algum cretino fundamental decida regulamentá-la) une as vítimas da revolução silenciosa dos cretinos fundamentais, que podem solidarizar-se mutuamente por suas mazelas através de blogs, sites, twitters, grupos de discussão, fóruns e sites.

É verdade que esses mesmos instrumentos são utilizados pelos cretinos fundamentais para enviarem por email arquivos power points com mensagens de auto-ajuda, ou para publicarem no Facebook correntes do tipo cada compartilhamento curará o Zé das Couves de seu bicho-de-pé.

Porém, não fosse a internet, nós, indivíduos não muito espertos mas distantes da cretinice fundamental, teríamos de estabelecer comunicação por meio de sinais de fumaça, sob pena de enlouquecermos esmagados pela mediocridade operante ou por nossas presunções arrogantes.

Mas, claro, nada é tão simples assim. Talvez exista um pequeno cretino fundamental dentro de todos nós, e todos os dias escolhemos se vamos alimentá-lo, fortalecê-lo ou, antes, se vamos manter vigilância para que ele se enfraqueça e suma de nossas cabeças.

nelsonrodrigues

Portanto, o front dessa guerra talvez passe exatamente no meio de nossos corações, e a primeira batalha contra a imbecilização geral da humanidade comece por revisar todas as nossas atitudes cotidianas. O primeiro golpe contra o inimigo é perguntar-se, em um exercício de humildade, em quais de nossas ações diárias podemos estar agindo como espiões duplos dessa guerra e, nos comportando como cretinos fundamentais amadores, dando artilharia para o inimigo.

 

Fonte: Foda-se a Fonte!

Anúncios

Madame Bovary era santa perto das mulheres do Sex and City!

Olha, não quero convencer ninguém, e muito menos acreditar que o que eu escrevo por aqui é verdade. Então, portanto, gostaria de ser contrariado, ah, como gostaria, e sinceramente estou aberto a ser convencido de que tudo que escreverei aqui é mentira. E outra, acho que o assunto é algum tema de psicologia, essas coisas aí e eu nem tenho propriedade para falar sobre isso, mas falo mesmo assim, porque quero e pronto!

 

Bom, outro dia estava conversando com um dos camaradas do chopp, diga-se de passagem o mais conservador entre nós defende essas coisas de honra, certo e errado na relações etc. E após alguns exemplos próximos acabamos os dois vendo que este mundo está perdido. A primeira idéia foi entrar em uma igreja e rezar por nossas almas, mas logo vimos que seria tolice. Então acho que concordamos que não se tem o que fazer. Ninguém está imune. Agora deve ter alguém se perguntando: “Mas que diabos este energúmeno está dizendo???”. Estou falando sobre a indole de certas garotas, veja, digo garotas, mas sei que homens também o fazem. Enfim, estou divagando.

 

O que vem a cabeça é Madame Bovary, o bom e velho exemplo do que não se deve fazer, caso contrário morreremos! Flaubert lidou bem com o assunto traição, com um sadismo que nem eu seria capaz de pensar. Olha o que eu penso sobre o livro. A Emma, não o bicho, a mulher, era uma jovem sonhadora do interior, esses lugares que tem bois, vacas, grama. Sei lá, não entendo muito de tal coisa embora seja do interior. Sei que certa vez passei férias dias no campo e achei chato pra burro levar a vida inteira lá. Então acho que entendo o porquê dela querer tanto sair de lá. E eis que surge a chance dela sair, o tal doutor Charles, um cara classe média, mas o tédio em pessoa. E ela vê nele a chance de sair da casa dos pais. Ah, sair da casa dos pais, quantos jovens atuais não pensam em tal coisa? Vez ou outra alguém vem me perguntar como fazer para sair da casa dos pais, eu sempre respondo:

Por que?? Você tem tudo na casa dos pais.
E sempre sou indagado de volta.
Mas não tenho liberdade!
Então retruco: Ah é? E você realmente acha que com a companhia de telefone, de luz, água, empregada, TV e internet, todos eles, todos os meses, mandando contas, você, mesmo assim, seria livre para fazer tudo que quisesse? Ir para uma festa em plena terça-feira e voltar de manhãzinha para casa e dormir o dia todo? Mesmo sem trabalhar? Ou mesmo sem ter nunca trabalhado?

 

Bom, geralmente a discussão termina sempre por aí. Voltando a nossa Emma. Entendo esse espírito de querer sair de casa a qualquer custo, já passei por isso, e já me dei muito mal também, por causa de todo esse impeto juvenil. E acho que Emma viu no tal médico estabilidade, a chance de mudar. Afinal o médico era mediocre em tudo, mediocre no bom sentido, eu acho. Ele tinha uma certa estabilidade financeira, ele estava perdidamente apaixonado por ela, ia oferecer uma vida fora da casa dos pais dela. E lá foi Emma casar com o médico. Problema que o cara era um pé no saco, sabe? Do tipo que só fala de trabalho, futebol, faz elogios do tipo: “Noooooossa mina! Você é gatinha, ein? ein? ein?”. Sabem? Ah, sabem sim! Tá, o cara era maleta mesmo. Mas isso justifica o que Emma está prestes a fazer?

Resumindo o resumo: Emma dispiroca, dá prum monte de caras, fica doente e morre.

Vamos nos apegar à parte do “dá prum monte de caras”. Bom, o livro passa a idéia de que quando ela passa a dar para vários caras a vida dela ganha sentido e ela fica mais alegre, mais viva, se sente alguém no mundo, afinal, pois ela tem emoção e é desejada, etc. O livro fala repetidas vezes que Charles, o “marido” dela, é um boçal, o cara é chato pra diacho! Mas alguns veêm essas inúmeras repetições, eu vejo, como a visão dela do cara, por que é tão exagerado, mas tão exagerado, que ninguém conseguiria ser tão chato, nem eu, nem um jogador de futebol falando sobre marxismo, então parece que isso é o que ela pensava dele, afinal, Emma nunca estava satisfeita. Dona Flor e seus dois maridos era mais feliz que a Emma com toda certeza. Tinha o chato e o atrevido ao mesmo tempo. Jorge Amado foi genial em sacar essa dualidade masculina no matrimônio.

 

 

Todo mundo tem o direito de se sentir insatisfeito, não? Eu mesmo, sempre insatisfeito! Mas olha só, naquela época ela nem tinha escolha, tinha que fazer tudo escondido. Hoje, Madame Bovary seria provavelmente uma personagem entediante de Sex and the City, ela é ingenua perto daquelas madames escrotas e superficiais. E vejo que o padrão Madame Bovary está cada vez mais forte nas mulheres, todas insatisfeitas, buscando homens melhores, atenciosos, inteligentes, educados, mas também másculos, decididos, etc etc etc.

 

Isso mesmo meninas, exijam sempre o melhor. Mas algo não ficou muito claro para mim ainda. Hoje temos o direito a essas coisas todas, se estamos insatisfeitos com algo, logo, podemos mudar para outro algo. Mas isso não anda acontecendo, as pessoas continuam fazendo tudo escondido como “Madames Bovarys”, mas qual o sentido disso?

Garotas que namoram se insinuando para homens, o contrário também ocorre. E tudo bem escondido, afinal, ninguém pode saber, não? Percebem? Qual o sentido? Ando vendo pessoas que se agarram em um relacionamento como se fosse a última opção de sua vida! Garotas bonitas e inteligentes, se submetendo a relacionamentos que não estão mais agregando nada, onde o respeito já acabou, não existe mais o relacionamento, só estão “juntos”.

 

Algo que começou com paixão e aos poucos virou um relacionamento, acabou virando apenas um rascunho, e já não satisfaz mais. Mas em vez de perceber isso, e mudar isso, terminar a relação, ir em busca de algo melhor, não! A opção mais recorrente é a traição, manter coisas em paralelo, fazer tudo bem escondido, com muito medo de ser descoberto. Ou então a negação total, fingir que o interesse em outras pessoas não existe, que tudo está bem, que é apenas uma fase. Jogar a poeira embaixo do tapete, sendo mais claro. E todos sabemos no que isso acaba virando. Só frustra mais, só nos magoa e decpeciona. Então por que não tentar ser mais sincero? Ou fiel a si mesmo? Se quer algo, vá atrás, faça escolhas. Mas nunca se arrependa de suas escolhas, afinal, são suas, orgulhe-se por estar escolhendo e não por ficar em cima do muro. Se ficar em cima do muro uma coisa é certa: você vai envelhecer e vai ver que deixou de fazer muitas coisas por medo.

 

Madame Bovary adoece e morre, jovem. Não sei se Emma tinha escolhas, gosto de pensar que tinha, que ela só não teve coragem de tomá-las. Madame Bovary seria uma dama ou uma biscate? Biscate, digo eu, é o tipo de garota que considero biscate, existem muitas “Madames Bovarys” por aí. Sim, existem, garotas que não fazem idéia do que querem, alias, nem sei se querem algo, se querem apenas se sentirem mais belas através de elogios masculinos sinceros, como, “Ow gostosaaaaaaa!”, seguido de uma buzinadinha no carro. Bruna Surfistinha que o diga.

 

Outro dia discutia com alguém sobre a vaidade feminina, que está é uma grande vilã, talvez causadora dessa devassidão toda. Isso reforça na minha cabeça a seguinte teoria: Nenhuma garota é fiel, nenhuma, basta o elogio certo na hora certa que elas caem como pombos eletrocutados nos fios do poste. Talvez uma ou outra resista bravamente aos flertes daquele que, se ela fosse solteira, seria a tampa de sua panela. E abdicam dos flertes sem saberem ao certo se deveriam. E não digo que os flertes são recebidos em uma balada ou festa, algo regado à bebidas. Não, não, qualquer lugar é lugar, qualquer pessoa tem potencial para a traição. Não existe mais respeito, uma garota namora você, mas pode ser que em uma ida ao dentista ela se apaixone pelo cara, daí você dança. É questão de oportunidade e o flerte certo. Vai que no dia que ela foi no dentista, um dia antes vocês tiveram uma discussão terrível e ela chorou um monte, você xingou ela impensadamente. Dia seguinte ela está no consultório, o dentista ali super atencioso. Sua namorada toma remédios para depressão, está na TPM, além de brigar com você, brigou com os pais, a irmã, o cachorro. Já fez o rascunho de três cartas de suicídio… E daí vem o dentista, todo cheio de dentes para cima dela, fazendo elogios mil, do tipo: “Nossa, que dentes sensuais você tem!” E ela dá uma risadinha aqui, outra ali, e daí o dentista é ousado e a chama para subir em sua casa, que fica em cima do consultório, para mostrar sua coleçãozinha de elásticos de aparelhos. E ela vai e daí…

 

Daí ela fica com o dentisa e vive feliz para sempre! Claro que não! O dentista queria sexo, oras! E ela percebe isso logo em seguida, ou no dia seguinte, ou na semana seguinte. Ela vai parar e analisar o problema da insatisfação dela no seu relacionamento? Vai contar para seu companheiro que foi “seduzida” pelo malvado dentista e esperar o perdão? Ou vai omitir e enteder como uma falha dela? E ainda capaz de mandar uma carta (ainda se mandam cartas?) para o dentista, agradecendo-o, afinal, ele a fez perceber o quão feliz ela era no seu relacionamento. Como definir uma mulher dessas? Certamente para dama ela não serve, não é?

 

E o que é ser uma dama então? Não sei ao certo, mas acho que ter atitude. Atitude para ir atrás daquilo que realmente quer. Sem tem que ficar com medo de ser descoberta, ou inventando mil e uma desculpas pro que se está fazendo. Assuma, ué! Hoje em dia pode-se fazer tal coisa. Ser uma dama, não tem a ver com deixar de sair para evitar situações de tentação, tem a ver com estar em qualquer lugar e saber o que quer. Se está feliz com seu relacionamento atual, livre-se dos xavecadores de plantão. Se está insatisfeita, aceite os xavecos, mas depois ou antes, resolva seu relacionamento atual, abra o jogo, ou termine, sei lá, tome uma atitude. O mesmo serve para os homens. Saiba o que quer e deixe claro o que quer. Assim todo mundo fica sabendo. Afinal, isso é um direito seu, não?

Alerta para as menininhas desavisadas

Na época em que vivemos, o clube dos cafajestes tem aumentado bastante o seu número de sócios participantes e depois que existe câmeras em tudo que é aparelho, àqueles que curtem filmar ou fotografar momentos íntimos andam fazendo a festa por aí.

Meninas… Cuidado para não se transformar numa atriz pornô sem querer ou até mesmo sem saber!!! Isso tem acontecido com diversas garotas…

A menina acha que encontrou um cara legal e o tal grava os momentos mágicos que passaram juntos e exibe sem pudores a sua intimidade aos amigos ou até mesmo na internet… E a maioria desses caras vivem por aí nas baladas da vida enrolando mil meninas desavisadas e para eles não basta insinuar que são bons de cama eles querem provar usando as garotas para tal fim. Falar que é o cara que pegou geral é aceitável, o fodástico e colocar a mina numa dessas por glamour pessoal.

Não pensem que só as garotas piriguetes caem nesse tipo de situação, tá cheio de mulher por aí que namorou durante anos, noivou ou até casou com esse tipo de sujeito, e pensando que podia confiar no seu parceiro, se deixou filmar ou fotografar… quando acabou o namoro, casamento,etc, viu seus momentos íntimos jogados na internet como vingança de um relacionamento acabado. Eles saem distribuindo as fotos e filmes pelos sites de putaria com o título de minha ex noiva, namorada, etc. Eu conheço uma pessoa que passou por isso depois de decidir se divorciar do marido… O caso acabou na delegacia e o constrangimento ela continua carregando. Enfim acho que todas nós devemos nos precaver para depois não chorar o leite derramado, porque tem mulheres jibóias fazendo o mesmo de forma semelhante inclusive.

Como escapar desses desclassificados capazes de seduzir com promessas de amor e depois exibir suas curvas em uma sessão de cinema pornô? Aqui vão algumas sugestões de uma reportagem que li na revista CLAUDIA num consultório:

Escolher território neutro
Você conheceu o cara, a química foi instantânea e querem terminar o primeiro encontro entre os lençóis. Melhor do que ir apagar todo esse fogo no território dele é procurar um ambiente neutro, como o motel. Até a sua casa é mais segura. Isso se o cara não for um desgraçado de um larápio e roubar até suas calcinhas.

Manter os pés no chão
Acha que o tal é bacana, mas ainda não tem certeza? Nada de exagerar na bebida ou dormir nos braços dele. Assim, não corre o risco de ser fotografada nua na cama com a câmera do celular ou toda vomitada feito uma qualquer.

Apagar a luz
Parece bobagem, mas o escuro ajuda a impedir que câmeras comuns sejam usadas. Além disso, estranhe se ele insistir para que os amassos quentes ou a transa rolem em algum ponto específico do quarto. Por acaso tem algum computador ou armário entreaberto? Lá pode estar a câmera que vai fazer você se arrepender de ter dado bola e o rabo a esse sujeito.

Namorar, namorar
“Hoje, ninguém quer perder tempo, tudo é urgente. Isso tem consequências”, alerta a psicoterapeuta Rosa Avello. “É importante conhecer o caráter do rapaz para descobrir que tipo de relação ele tem em mente”, diz. “Não dá para acertar o alvo com os olhos fechados.”

Não confie demais nos outros
E mesmo depois de conhecer, não confie demais… Por que? Porque por mais que você minha amiga ame alguém, só quem sabe o que essa pessoa pensa é ela mesma…

É isso aí sisters!

Densecalha mulherada!

Minha querida leitora, você é daquelas que sonha com o seu príncipe encantado? Você chora e ri ao mesmo tempo enquanto assiste a alguma comédia romântica? Sua avó ou tia velha ou qualquer outro equivalente familiar vive lhe perguntando quando é que você vai dar um netinho pra ela? Vive num estado de carência de dar inveja a qualquer madre carmelita? Se você respondeu “sim” a, pelo menos, uma dessas perguntas anteriores, você está FODIDA!

Quer dizer, você bem queria estar fodida, mas você está mesmo é ENCALHADA! E as notícias não são muito boas. Se continuar agindo como a maioria das mulheres nessas condições a tendência é só piorar, porque, além de encalhada, você está ficando VELHA a cada dia.

Existem alguns comportamentos padrão que conduzem ao encalhe e isso é um problema sério. Você precisa combater isso imediatamente se não quiser ficar igual àquela sua tia velha, cheia de manias e mal amada com sessenta anos nas costas e diabética de tanto comer caixas de bombons para se sentir melhor e bipolar por se imaginar com aquele galã de novela  e batendo siririca toda noite, além de ficar praguejando contra tudo e todos!

Primeiro: Você conhece um cara e descobre ele curte rock e você AMA o Luan Santana ou outro sertanejo escroto desses que tem por aí. Descobre que ele prefere um bom cinema, enquanto você quer pirar o cabeção dançando o rebolation numa balada. Descobre que ele é teimoso e é sempre você que deve dar o primeiro passo (ou vice-versa). O problema é que, ao invés de você tentar conhecer um pouco do universo dele e mostrar a ele o seu, encontrando um meio termo para fazer a relação dar certo, você simplesmente desiste porque são “diferentes demais”. Que porra é essa? Quer dizer que você minha senhora acha o máximo o apoio à diversidade de gêneros numa parada gay, mas não sabe lidar com a diversidade de personalidade dentro de sua própria casa? Suas esquizofrêncas!!!

Outro problema é que muita mulher surta no começo do relacionamento quando o cara demora para apresentá-la aos pais. Algumas acham que conhecer a família afirma o amor e a durabilidade da relação. Então começam a encher a cabeça de minhoca, pressionar o cara e o namoro vai pro brejo. Também pudera! Afinal de contas, pra que você quer conhecer a família do cara? Ah, já sei! Pra depois você ter em quem colocar a culpa todas as vezes que vocês discutirem, né?! Ora, se o cara não apresenta logo de cara a família dele, é porque talvez a família dele não valha a pena. Acredite. O pai dele deve ser um indiferente, a mãe uma cobra, a irmã uma falsa, o irmão um Zé Roela e o cachorro deve querer cruzar com sua perna logo na primeira visita.

Porra, se o cara não apresenta a família, por melhor que ela seja, pode ser simplesmente porque ele goste de privacidade. Na hora certa ele vai te apresentar pra família e para os amigos.

Pior que isso são aquelas outras tantas que surtam quando não ouvem logo um “eu te amo” e, de novo, quando esse não vem, o que não falta é desconfiança, insegurança, cobranças e aí, não há relacionamento que resista.

O negócio é que dizer “eu te amo” só para te fazer calar a boca, não é nenhuma vantagem, não é mesmo? Um relacionamento é bem mais que isso e existem inúmeras formas de materializar o amor. Além disso, ele vai dizer quando achar que deve. O que não significa que ele não sinta!

Algumas ENCALHADAS pensam que final de semana foi feito para namorar e ficar cada minuto grudadinho. Elas acham que se o cara diz que vai jogar futebol, fazer favores para a mãe, ou qualquer outra coisa do tipo, é sinônimo de que ele não a ama e, logo, só por isso ela termina.

Mulherada, realiza! Namorado é uma coisa, gêmeos siameses outra! A gente não deixa de viver sem o ser amado. A gente deixa de viver sem o ar, sem comida, sem água…

Quer mais um exemplo de que você é uma ENCALHADA? Você liga e pede para ele te ver naquele dia e ele responde que não vai dar porque está ocupado, cansado ou qualquer outra coisa. Milhares de catástrofes passam pela sua cabeça e você começa uma cena de novela mexicana. Não é só porque vocês namoram que a outra pessoa estará sempre à sua disposição ou concordará com tudo o que você disser. Lembre-se da diversidade de personalidades e opiniões!

É claro que você não tem que aceitar qualquer coisa e se enfiar em uma relação desastrosa só para não ficar sozinha, mas algumas expectativas realmente não condizem com a realidade e se livrar desse peso não faz mal a ninguém.

Não esqueça: ninguém é propriedade de ninguém! Se você quer ter um namorado, esteja pronta para ter uma PESSOA ao seu lado, não uma COISA. Pense nisso e desencalhe!!! Hahahahahahaha-ha!