Arquivo mensal: abril 2015

É o que funciona para o bem que pode dar certo!

Um incentivo social ou econômico também pode ser chamado de confisco ou roubo, como também pode ser chamado pelos esquerdistas de distribuição de renda ou cotas.

Com todo respeito, estou me lixando nas interpretações semânticas presentes em todas as teorias, todas, sejam de esquerda, direita, intervencionistas, libertárias, anarquistas etc. Na minha opinião o único axioma lógico e racional disso tudo advém da realidade, o que vale é a vida real, o pragmatismo, o resultado etc. Bom, certo, moral é definido nesse sentido estrito e é apenas aquilo que funciona e serve para manter as coisas em ordem funcionando num grau de satisfação mediana basicamente que deveria ser bem aceito na sociedade.
Se a política de incentivos do Estado resultou numa ferramenta para perpetuação do governo no poder, você está correto, é um confisco, é roubo, portanto é imoral. Mas, se a política de incentivos foi certa, correta, no momento e formas adequadas, e obteve como resultado melhorias econômicas, sociais, políticas… isso é positivo e muito moral inclusive para o bolso de todos.

Portanto, assumir posturas fanáticas, radicais, xiitas, que interpretam palavras, teorias nunca gerou nada de benéfico nem na esquerda como nem na direita, nem em termos religiosos, onde dizem que as pessoas são todas boazinhas e moralmente elevadas.

No mundo real, no mundo pragmático, o que valem são os resultados, aquilo que funciona e não teorias.

Assistencialismo seja para o povão ou para empresário, não é ruim apenas porque representa um confisco ou um roubo. É ruim porque é uma ferramenta de exploração para o governo se perpetuar no poder e não visa o desenvolvimento econômico, mas sim agregação de poder no espaço e tempo, e isso gera monopolização de tudo no final das coisas, seja da atividade política, social e econômica.

Se um incentivo faz uma economia crescer, é coisa de radical socialista não aproveitar ou criticar essa medida.

Ambas teorias, tanto a que prega a completa intervenção do Estado na vida privada, como a teoria contrária que prega a completa ausência do Estado… ambas são extremismo semântico e teórico. Ademais, são ainda também idealismos utópicos que jamais na história chegaram a se concretizar com resultados eficientes e benéficos para toda uma sociedade. Não funcionou o comunismo nem o socialismo, como tampouco funcionou o cooperativismo natural, nem nenhum tipo ou forma de anarquismo. Ao meu ver, ambos erram no diagnóstico sobre a natureza do ser humano.

Não há imoralidade nem roubo naquilo que funciona ou que fornece resultados que podem ser compartilhados e reutilizados. Não é o caso do Brasil, que está implementando cada vez mais dependência do governo em tudo para todos em medidas colossais de direitos, serviços e benefícios de baixa qualidade que são fruto da pura demagogia. Mas isso não significa que não seja o caso de outros países, outras sociedades, outros momentos e formas. A história e a economia aponta incontáveis casos de sucessos, quando as coisas foram feitas da maneira certa.
Finalizando, acredito que complexo de vira-lata é viver escravo sendo de idéias, teorias, dogmas, palavras, ideologias. Se uma coisa funciona, se tem resultados, não há nada de vira-lata em aprender e copiar o bom e eficiente.

Anúncios

Gilmar Mendes o Protetor do Petrolão!

O ex-Ministro do STF Joaquim Barbosa certa vez disse na cara do Ministro Gilmar Mendes:”Vossa Excelência está destruindo a Justiça desse país! Saia às ruas!”

Lembrem-se que foi Gilmar Mendes quem liberou o Daniel Dantas e avacalhou com o restante do processo e operações da Satiagraha. O aspecto mais grave foi a interdição da investigação, a impossibilidade de as autoridades levarem a apuração inteira até o final.

Em termos gerais, a regra do jogo do processo penal no Brasil é simples: o delegado aponta evidências, o procurador acusa ou não, o juiz julga. Ao longo do processo, o réu se defende. Em caso de inocência, após o processo o réu pode buscar a punição dos responsáveis por um eventual erro judicial. Mas no caso da Satiagraha, o delegado foi proibido de investigar e o juiz foi impedido de julgar. O sistema foi brutalmente bloqueado, de modo a não funcionar, a não concluir sequer a apuração inicial.
Se isso acontecer com a Lava Jato a culpa mais uma vez é do STF que zela pela impunidade e não pela Justiça e devido processo legal e liberdade das instituições de investigação republicanas. O Procurador Geral da República Rodrigo Janot e demais ministros nomeados na era Lula e Dilma também se enquadram nesse rol de colaboradores da impunidade com folga; a saber: Lewandowsky, Barroso, Zavascki e o eterno advogado do PT Dias Toffoli, além de Edson Fachin que deve ser o novo integrante do tribunal que de supremo não tem nada em termos de justiça, mas sim de pizza. Como diria Joaquim Barbosa mais uma vez: “Determinadas coisas não convencem”.

gmmm

Nota de repúdio aos artistas e intelectuais comprados pelo PT

Nauseado com o bom-mocismo de certos medíocres de grande parte dos meios de comunicação, mantenho neste espaço, ainda que de forma intermitente, meu desprezo pelos vendidos ou corrompidos pelo poder do dinheiro dos cofres públicos sejam estes servidores públicos ou particulares.
 
Os Chico Buarques ou Jô Soares da vida entram nessa lista e tornam esse rol cada vez mais pesaroso…
Nossos artistas e intelectuais não possuem mais nada de valor infelizmente, vendem ou alugam suas obras ou talentos pessoais em troca de dinheiro fácil. Nos últimos tempos vemos figuras que sobrevivem do seu passado brilhante sem gerar nada de novo no campo artístico e intelectual. Ou seja se apagaram e se tornaram meros vendedores de apoio a quem tem trocados a lhes dar para que eles falem em favor de seus mecenas corruptos. Mendigam projeção e reconhecimento às custas do dinheiro público. Ao invés de falarem sobre a verdade, inventam mentiras para ilustrar a verdade de forma distorcida e condizente com o pensamento do patrão que lhes paga.
 
Há ainda, muitos pseudo-intelectuais que, julgando-se, acima dos pobres mortais, colocam-se como donos da verdade e contemplam a tudo isso atrás de suas escrivaninhas fumando cigarros ou arrotando o quanto os outros que dele discordam são burros. Estes também não nos convencem, pois se vendem a suprema falta de bom senso e inteligência.
 
Os pobres ignaros tupiniquins que antes se deixavam comprar por espelhos e outros artefatos agora se deixam comprar por idéias rasas e mal alinhadas com a realidade dos fatos vendidas por esses lacaios oportunistas de toda sorte. A TV propaga dia e noite esse tipo de conversa fiada, a internet repete à exaustão tornando tudo isso num ciclo vicioso.
 
Lembrem-se que ainda vivemos num território com 15 milhões de analfabetos e outros tantos que mal conseguem assinar o nome ou interpretar um texto simples e mesmo assim detém diploma de universidades de fundo de quintal.
 
Nós, tupiniquins que temos que sobreviver nas nossas precárias circunstâncias, anos-luz dos países realmente desenvolvidos satisfeitos com a nossa insatisfação? Se estamos felizes com isso, ora, então vamos deixar de brigar pra mudar um pouquinho as coisas nessa república de pão e circo. Afinal de contas, se assim o for, não nos resta mais nada, a não ser aceitar essa condição de mediocridade inertes no sofá em frente da TV ou em frente dum computador aplaudindo gente dessa laia.
Eu me recuso a fazer isso e você?

Os ratos da República e a oposição bunda mol

Vaccari ir em cana é a ponta do iceberg…

O papelão nacional está nos corredores e gabinetes da CGU que não quis investigar em tempo hábil – leia-se antes das eleições de 2014 – as doações ilegais para campanha da Dilma. Doação vinda do exterior, identificada pelo Ministério Público da Holanda, e repassada para as autoridades federais brasileiras que se omitiram em analisar os fatos. A SBM tentou acobertar a Petrobras até o fim. Um e-mail do chefe da auditoria interna da companhia holandesa, em 4 de maio de 2012, dizia o seguinte: “Cancelar as referências para análise das atividades relacionadas ao Brasil e a Julio Faerman e órgãos relacionados, já que nós desejamos colocar essa parte da investigação em espera, por enquanto

O escândalo na CGU se complica. Ontem a Folha de São Paulo disse que, em 27 de agosto de 2014, o delator da companhia holandesa SBM, Jonathan Taylor, denunciou à CGU o pagamento de propina na Petrobras, mas as autoridades brasileiras abafaram o inquérito até Dilma Rousseff ser reeleita. A CGU respondeu que o inquérito só foi engavetado porque faltavam provas mais consistentes sobre as denúncias. Hoje o correspondente em Londres da Folha de São Paulo, Leandro Colon, desmonta essa mentira e prova que não faltavam provas…

Resta evidente que a CGU, TCU, STF, CPI são mecanismos do governo de blindagem contra as investigações da PF e MPF e até do próprio TCU que descobrem crimes de responsabilidade no cargo de Presidente da República, no mandato anterior e quiçá atual mandato por continuidade.  Portanto, meus caros amigos, fundamentos jurídicos para pedido de impeachment já existem, estão cristalizados, materializados, mas o governo e oposição blindam esse tema por puro rabo preso com manobras de bastidores que a mídia não divulga nada!

Agora vejam a manobra de quem tem rabo preso com isso em relação a esses fatos:  Eduardo Cunha disse não haver fundamentos jurídicos para o pedido de impeachment.

Existe ainda outro fato bruto em face disso; que é o seguinte: Dilma Rousseff cometeu um crime de responsabilidade e pode ser cassada por causa disso. Segundo a Folha de São Paulo, o ministro José Múcio Monteiro, relator do processo contra as fraudes praticadas no ano passado para encobrir o déficit fiscal, vai seguir a linha do procurador Júlio Marcelo de Oliveira e recomendar a investigação contra as pedaladas do governo.

O plenário do TCU, formado por nove ministros, pode acatar ou não a recomendação, em votação prevista para esta quarta-feira.  Se a recomendação for acatada, assim PSDB bunda mole, que finge fazer oposição dura, finalmente vai se sentir à vontade para apresentar um pedido de impeachment contra Dilma Rousseff.

A origem disso tudo está no parecer do procurador do Tribunal de Contas da União, Júlio Marcelo de Oliveira, o qual requereu ao TCU que tome para si a investigação do escândalo da empresa holandesa SBM, que doou ilegalmente 300 mil dólares à campanha de Dilma Roussef e, segundo o inglês Jonathan David Taylor, ganhou como cala-boca um contrato de 3,5 bilhões de dólares com a Petrobras — tudo indevidamente escondido pela Controladoria-Geral da União até depois da eleição.

O procurador pede, inclusive, que o TCU mande um emissário a Londres, para ouvir Jonathan David Taylor, ou que faça o ex-executivo da SBM vir ao Brasil.

Vejam o trecho final da representação de Júlio Marcelo de Oliveira:

“Ao ver do Ministério Público de Contas, a gravidade e a materialidade dos fatos envolvidos nesta investigação recomenda que este processo seja convertido em auditoria e que o próprio TCU investigue a fundo a denúncia de pagamento de propinas pela empresa SBM Off Shore para obtenção de contratos com a Petrobras.

Com efeito, dispondo o TCU das amplas competências que a Constituição Federal lhe outorga, incluída a de processar e julgar danos cometidos contra a Administração Pública, condenando os responsáveis em débito, e a larga dimensão dos eventos de corrupção na maior empresa brasileira, afigura-se de todo recomendável que o próprio TCU assuma o comando desta investigação, em vez de aguardar os eventuais e incertos desdobramentos de investigações conduzidas pela própria Petrobras e pela CGU.

Para tanto, pode o TCU requerer à Petrobras e à CGU o envio de cópia integral de todos os processos de investigação sobre esse tema, para a partir desse ponto, promover suas próprias investigações.

Independentemente da conversão dos autos em auditoria a ser conduzida pelo próprio TCU, entende o Ministério Público ser extremamente útil, ao conhecimento que esta Corte de Contas deve ter sobre o caso, a oitiva do ex-diretor da SBM, Jonathan David Taylor, como medida instrutória, o que desde logo se requer e que certamente muito contribuirá para a elucidação das questões tratadas nos autos.

Para tanto, sugere o Ministério Público de Contas a ida de auditores do TCU ao Reino Unido para entrevistar o ex-diretor e colher com ele elementos de prova de que disponha ou, alternativamente, o estabelecimento de tratativas para promover a vinda do ex-diretor ao Brasil para sua oitiva pelo TCU.

Brasília-DF, em 14 de abril de 2015.”

Portanto xadrez para o Vaccari que é apenas um office boy do PT é um avanço, mas há coisas mais graves por debaixo dos panos. A prisão temporária ou preventiva dele já era esperada pelo PT que foca suas energias em outras frentes como CGU e TCU que é daí que bicho pode pegar fora das investigações da Lava Jato e de forma mais célere contra Dilma. Enquanto isso, o obeso Vaccari se torna bucha de canhão, terá que defecar agachado enquanto estiver preso e poderá ter crises de câimbra a exemplo do que aconteceu com seu colega de partido e de crimes, obeso também, André Vargas. Vargas faz alongamento antes de “mandar o barro” mas não tem surtido efeito pois dolorosas câimbra continuam a fazê-lo sofrer. Tadinho…

Entonces…das duas uma: Ou Dilma cai por pedalada fiscal ou por corrupção. No primeiro caso ela se fode sozinha, no segundo fode a política nacional inteira e cai todo mundo junto. Podem escolher o que vocês querem.

impeachmente

Nota de repúdio aos Jeans Wyllys e Lucianas Genro genéricos

Nota de repúdio aos Jeans Wyllys e Lucianas Genro genéricos

deputado “puxado” maledicente Jean Wyllys do PSOL chamou de “analfabeto político” o líder do Movimento Brasil Livre, Kim Kataguiri, um dos responsáveis pelo sucesso do ato anti-Dilma de 15 de março, que incomodou – e muito – a linha auxiliar do PT. Jean Wyllys que desde os tempos do BBB só fala pelas costas, ouviu o que deveria ouvir e até agora – dias depois – ainda não inventou uma desculpa esfarrapada para evitar do debate contra o duelista que desmascarou o mesmo em seu vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=oMVWGlZ-aX4

Vamos ver se o deputado taxa o Kataguiri de homofóbico ou qualquer coisa do tipo ou aceita mesmo debater contra o suposto analfabeto político…

jwdenovo

Por falar nisso, esse assunto está bombando nas redes sociais e blogs, porém há uma horda de MAVs PSOL e PT que estão defendendo com unhas, dentes e tacapes o pobre Jeanzinho do BBB nesses blogs que o governo continua a bancar os blogueiros chapa-branca e chapa vermelha de papel crepom com bolinhas rosa shock. Na maioria dos casos todos são um fracasso como redatores, mal sabem inferir assuntos, só extrapolam tudo na base do discurso “Maldito seja Jair Bolsonaro”… Por outro lado o governo prova mais uma vez que joga dinheiro no lixo, pois ninguém lê aqueles velhos mercenários que topam qualquer programa por uns trocados só para defender o indefensável e quando lêem dão risada da cara deles. No máximo esses blogs endinheirados pelo governo servem para alimentar a moléstia mental, moral e intelectual dos pseudo-eruditos não divergentes do atual sistema gerado pelo analfalulismo.

Afinal de contas, segundo o relatório do próprio PT, o deputado Jean Wyllys, cuja página no Facebook “tem um peso maior na defesa do governo” do que todos os outros juntos é algo que precisa ser protegido devido ser bucha de canhão da causa petralha.  Os marionetes que idolatram o mesmo vocalizam e que à exaustão nos próprios perfis de redes-sociais o mesmo discurso de Jean Wyllys também ficaram ofendidinhos com as verdades lançadas pelo vídeo do Kim Kataguiri dias atrás.  Disso não resta dúvida. Basta visitar a página do seu amiguinho psolista mais próximo para atestar isso.

Nas redes sociais podemos atestar ainda que há uma epidemia de Jeans Wylllys genéricos que em suma também são invariavelmente homossexuais de mau caráter que passam por lavagem cerebral nas universidades para além de queimar a rosca, colar o velcro, dar beijo grego no fiofó alheio a troco de mortadela, fumar maconha e defender MST, PSOL, Luciana Genro e afins também se prestam ao papel de manifestantes de ocasião da CUT, do PT, da Juventude Comunista do PC do B que explode portaria de editora ou qualquer coisa que tenha bandeira vermelha ou socialismo mal intencionado no meio.

Seres bestializados e vendidos iguais ao deputado Jean Wyllys existem muitos infelizmente. Essa é a conclusão que chegamos com medo que uma dia num futuro próximo o ENEM chegue ao descalabro de citá-lo com pensador político ou filósofo cultural brasileiro do século XXI.

Já havia publicado anteriormente uma “Nota de repúdio ao Jean Wylly genérico”  na qual já evidenciava uma figura em particular semelhante   aos muitos devotos da esquerda que dizem que defendem negros, minorias, LGBTs  e toda aquela cartilha comunista pré-moldada como se todos fossem vitimas da sociedade por erros acumulados na história social ou econômica  segundo eles escrita exclusivamente por uma classe média e alta bastarda que deveria pagar ainda mais tributos devido serem uma elite calhorda que manipula e oprime as camadas referidas devido seu poder social oriundo do maldito capital e cultura machista elitista racista etc etc etc.

Na maior parte esmagadora dos casos os ora referidos ativistas genéricos de figuras deletérias da política socialista brasileira só despejam argumentos toscos e ranço contra pessoas de condição social mais elevada com base em argumentos de Luciana Genro, Jandira Feghali, Maria do Rosário e desse tal Jean Wyllys dentre outras figurinhas socialistas anti-homofobia, anti-golpismo, anti-capitalismo burguês etc… Em resumo, se valem sempre do mesmo velho discurso e debate repetido da esquerda asquerosa já ironizado e destroçado até em programas de humor como do Danilo Gentili.

O fato não se resume aos Jeans Wyllys genéricos, nem também as ditas Luluzinhas Genros macho e fêmeas (feministas) que passam sua vidinha defendendo a mesma agenda furada de Luciana Genro e do PSOL como se fossem dogmas sociais inquestionáveis.  A lavagem cerebral e idolatria é tamanha que algumas pessoas retuítam e compartilham cada declaração desses sujeitos e ainda transcrevem loas e discursos apologéticos aos seus ídolos em face dos coxinhas, reaças, elite branca, e toda população economicamente ativa que sustenta o sistema opressor e corrupto anti democrático e blá-blá-blá…

O caso é de saúde mental, pois até mesmo o Sibá Machado tem seus adeptos que crêem piamente que a CIA está financiando um gigantesco movimento secreto golpista e midiático contra Dilma, Maduro e Evo Morales, isto é, Fidel Castro e sua trupe sul americana empossada em eleições justas, sem fraudes, com vasto apoio popular devido terem potencializado o poder econômico da nação inteira, erradicado a miséria mesmo que seja com base de elevados impostos, elevada inflação e dólar nas alturas etc.

Nesses momentos e diante de escabrosidades dessa monta, quando me perguntam o que acho desses partidos tais como PT no poder a resposta é bem clara: Um partido que seja capaz de tudo para se manter no poder é algo que deve ser combatido pelo próprio povo. Lembro vocês da história das pessoas do referido partido: Zé Dirceu, Zé Genoíno, Franklin Martins, Dilma Rousseff, Lula e grande elenco já foram terroristas, guerrilheiros, assassinos, seqüestradores, delatores em outros regimes. A história deles já coloca em xeque seus escrúpulos e moral, mostram com nitidez do que são capazes de fazer pelo poder.

Portanto mentir em campanha, cooptar instituições, incentivar a criação de um exército paralelo (MST), mudar metodologias e mensurações oficiais para melhorar o “desempenho” do governo, mesmo os enormes esquemas de corrupção montados nos últimos anos, a aproximação com países de mesmo viés ideológico, os empréstimos secretos do BNDES, para mim é apenas a ponta do iceberg.  Caso esse governo seja deposto por qualquer medida, muito mais sujeira virá à tona.

Lembrando que eles não lutavam nem nunca lutaram por democracia. Eles lutavam pela ditadura nos moldes socialista-marxista cubano, de onde aliás, muitos foram financiados e receberam treinamento, o que explica o especial carinho do governo pela ilha paradisíaca produtora de charutos.

As pessoas deveriam olhar mais a história e atitudes das pessoas públicas. A biografia dessas pessoas dizem mais do que se possa imaginar…

12 de Abril tem que ser maior e melhor…

Sobre os manifestos de 12 de Abril tenho a dizer o seguinte:

Não cair no erro lógico da omissão é um dever de todos.  Esta frase menciona a tese a ser debatida: “Se você não forma parte da solução, é parte do problema”. Se você não voltar seus olhos para a solução correta dos problemas, você quase que automaticamente – por ação ou omissão – se torna parte do problema.

Se você prefere usar o hoje para desfrutar do imediatismo e do paliativo, use ao menos o amanhã ou o futuro para refletir e agir para que possamos construir uma sociedade ou país mais adequado ao que idealizamos.

Uma primeira falácia dos defensores de coisas incabíveis é crer piamente que soluções que são vocalizadas por correntes opostas com afinidade em alguns pontos são soluções efetivas ou definitivas ao caso concreto.  A concepção que divergências trazem a luz convergências é bastante difundida em tempos de desespero coletivo, ou desespero real de pessoas inconsequentes. Nesse caso podemos exemplificar esse cenário dentro do panorama político, econômico e social brasileiro, num falso encontro de convergências ao mesmo tempo nesses três campos.

Observem os diversos grupos que estão se mobilizando para participar das passeatas de 12 de Abril…

Vemos uma corrente que desinformada e obviamente nutrida pelo desespero idealiza que a intervenção militar é o caminho a ser seguido para derrubar a corrupção do poder. Pois bem, essa idéia não mede as conseqüências, somente pensa no efetivo bem imediato que almejam que é tirar do poder quem está no poder pelo fato de ser corrupto. Não dimensionam por outro lado que não se acaba com a corrupção com isso e nem mesmo se resolvem outros problemas sociais e econômicos, ou pior; tendem a gerar mais desgastes nesses campos devido a natureza do ato de intervenção.

A contra falácia que se obtém em contraponto a esse discurso é que existe uma formatação de golpismo sendo engendrada por uma classe média que não votou no candidato da situação. Nesse caso a equação mais sensata a se fazer é somar esses dois fatores e concluir que ambos são idiotas úteis em prol duma mesma causa de desestabilização social, de divisão da sociedade em opiniões públicas radicais e sem embasamento nem mesmo sintonia com as outras teses que estão sendo colocadas nas pautas dos manifestos.

Esses dois lados opostos da mesma moeda dão apenas ensejo a tese da repressão imediatista como solução para o cenário. Ambos os lados não debatem, não aprendem, nem aproveitam nada dos bons argumentos das outras correntes de pensamento presentes na sociedade. Nisso fica comprometida a convergência de idéias, do senso democrático, pois uns falam em dialogar sem dar ouvidos e outros querem ser ouvidos apenas falando grosso com armas em punho e tanques nas praças do poder. As coisas não funcionam assim numa nação civilizada e com fluxo de informação. Pelo contrário, esta é a tendência pretendida pelos que querem se manter ou aproveitar da situação para estabelecer o caos e não a ordem e regulação em face do que está dando errado.

Nos movimentos de rua há palavras de ordem para lutarmos por educação de qualidade nas escolas. Essa é uma bandeira a ser destrinchada, pois uma evolução social, política ou econômica significativa – do país como um todo – passa sem sombra de duvidas justamente por este campo educacional de qualidade. Enquanto não buscarmos educação de alto nível nas escolas, efetiva e intensa, para as crianças e adolescentes, os jovens irão gradativamente se tornado adultos que não constroem não produzem, nem geram, e muito menos modificam as bases para o futuro do país que almejam viver com mais dignidade.

A responsabilidade de quem irá para as ruas no próximo manifesto é refletir sobre isso de forma aguda para entender que vivemos numa condição onde tiram proveito do obscurantismo no qual a sociedade brasileira sempre viveu em toda sua história.

No Brasil, a irracionalidade de muitas propostas políticas, das reformas sociais e econômicas não são compreendidas a fundo, e não raro são aderidas e defendidas como se tivessem conhecimento profundo de causa por grandes parcelas da população. O remédio para não cair e voltar a tropeçar nesses engodos é educar o povo, fazer com que reflitam atentamente sobre cada ato da gestão pública que afeta toda sociedade e sobre a conseqüência de cada ato do próprio cidadão no campo da política, seja do voto ao argumento em defesa de certas propostas.

Decisões não devem ser alçadas com base no desespero e irracionalidade das propostas políticas. A sociedade brasileira está exausta de tanto desmando e de tantas trocas insultos de fundo político. Queremos debater idéias, soluções das quais todos façam parte e ajam em prol dum país mais justo e igualitário nas oportunidades, meios e  decisões. Isso efetiva o Estado Democrático de Direito. O contrário disso apunhala os pilares da República e destrói tudo sendo corroído pela traça dos corruptos e incautos.

O sentimento de impotência de muitos da população é altíssimo, há ainda um desequilíbrio emocional patente daqueles que pensam tão somente em defesa dos seus interesses mais baixos. Não se criam novas perspectivas diante desse quadro antagônico de pessoas lutando em trincheiras opostas como essas. Isso só gera e cria mais problemas e não soluções. Estamos diante dum governo que não dialoga nem escuta, e por outro lado ainda estamos dentro duma sociedade que também não dialoga e não promove a audiência das suas diversas partes num diálogo e oitiva de propostas sérias e honestas para todos.

Querem ir às ruas, ótimo, mas vão lá e conversem e busquem compreender realmente porque este ou aquele está naquele dia na rua protestando e tentem ao menos achar alguma coisa que reúna suas reivindicações numa mesma pauta. Quem sabe assim damos uma lição de como se dialoga e expressa democraticamente pontos de vistas políticos para um governo que se esqueceu dessa lição elementar: De ouvir e dialogar com os verdadeiros donos do poder e não usurpar da paciência deles.

12-de-abril